Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Pub
Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
» Tradicionais festejos do Forum Viajar de Moto em Alcobaça
por carlosrosa Ontem à(s) 22:54

» De Santarem a Alcobaça 20-10-2018
por Jorge CBFista Sex Out 19 2018, 20:26

» Contacto da administração.
por Serzedo Sex Out 19 2018, 13:09

» [Notícia] Ton-Up Garage: petiscos e motas no Porto
por mazevedo Ter Out 09 2018, 14:11

» Tradicionais festejos do Forum Viajar de Moto em Alcochete
por carlosrosa Sex Out 05 2018, 21:09

» Fim de Semana em Avis.
por Zé Oliveira Seg Out 01 2018, 00:58

» As melhores trilhas moto trail em Portugal
por tmr77 Ter Set 25 2018, 16:14

» VIAGEM A TARAMUNDI
por Vitor Silva Sab Set 22 2018, 19:19

» 2017 - Milão/Stelvio/Dolomitas/Liubliana/Verona
por nunomsp Qui Set 20 2018, 16:59

» 27º ANIVERSARIO BMW Motoclube de Portugal - Covilhã
por Joao Luis Qua Set 19 2018, 15:11

» BMW CKLT Jantar das Terças Feiras By João Luis
por Joao Luis Qua Set 19 2018, 14:18

» Passeio a Toledo
por Carlospira Seg Set 17 2018, 18:01

» [Notícia] Fenati abandona motociclismo...
por Vitor Silva Ter Set 11 2018, 18:01

» TRAVELER´S EVENT
por Joao Luis Seg Set 10 2018, 10:49

» Alguma volta programada?
por Joao Luis Seg Set 10 2018, 00:08

» [Novidade] Agora o Motos & Destinos também no Topic'it
por Serzedo Dom Set 09 2018, 02:59

» O Caminho de Mota para a India
por Joao Luis Qua Set 05 2018, 20:45

» Aldeia da Pena e Estada do Portal do Inferno
por Carlos Balio Seg Set 03 2018, 13:39

» Passeando pela Arrábida
por Serzedo Dom Ago 12 2018, 00:11

» Passeio a Santiago de Compostela
por Elisio FJR Ter Ago 07 2018, 15:47

» Fui ver o Mar e a Serra
por Elisio FJR Ter Ago 07 2018, 15:27

» PASSEIO NA GALIZA
por Elisio FJR Ter Ago 07 2018, 15:16

» XASSOS 2018
por tdg-rui Sex Ago 03 2018, 10:15

» Rolls-Royce das motos
por tmr77 Qui Ago 02 2018, 16:25

» [Notícia] Dani Pedrosa termina carreira no final deste MotoGP
por Serzedo Qui Jul 12 2018, 17:17

» Route 66 Portuguesa, EN 2
por tmr77 Ter Jul 10 2018, 10:34

» Passeando pela raia
por Swift Seg Jul 09 2018, 15:00

» Suzuki V-Strom 650 XT - Avis, Estremoz
por Swift Seg Jul 09 2018, 14:58

» [Revista digital] Andar de Moto
por Serzedo Sex Jul 06 2018, 13:17

» Passeio pelo Douro
por Rambo Ter Jul 03 2018, 11:31

» Passeio até Lorvão
por Rambo Ter Jul 03 2018, 11:15

» Outono no Gerês
por tmr77 Ter Jul 03 2018, 10:13

» Deambulações pelo Norte
por tmr77 Ter Jul 03 2018, 10:04

» Picos da Europa Maio de 2018
por Carlos Balio Ter Jun 05 2018, 13:05

» MOTOCAMPING - Em Marvão e Castelo de Vide
por Espsanto Qui Maio 24 2018, 18:44

» Passeio á serra do Carvalho- ( Vila Nova de Poiares )
por Espsanto Qui Maio 24 2018, 17:52

» VII Aniversário Motos&Destinos, Castelo de Vide
por tmr77 Dom Maio 13 2018, 15:50

» Volta ao Mundo de Francisco Sande e Castro
por Espsanto Sab Maio 12 2018, 23:18

» [Notícia] Scooter integrada num carro...
por Serzedo Ter Maio 08 2018, 14:44

» [Notícia] Antigo pentacampeão mundial de motocrosse morre...
por Serzedo Seg Maio 07 2018, 17:18

» [MotoGP] Miguel Oliveira no MotoGP em 2019
por Serzedo Sex Maio 04 2018, 16:54

» [Evento] 24.ª Expomoto - 3 a 6 de Maio de 2018
por Rico Sousa Dom Abr 29 2018, 17:44

» [Moto2] Miguel Oliveira consegue 2.º pódio
por carlos lopes Dom Abr 29 2018, 12:41

» Atrelado q ocupa pouco espaço
por Serzedo Sex Abr 20 2018, 11:42

» [Aplicação] Waze tem modo para motociclos
por Serzedo Sex Abr 20 2018, 10:58

Tempo
Al!ve FM

Quarta-feira das 21h às 24h Burn - A hora dos motards

Mapas
Flux RSS


MSN 
AOL 


Doação por Paypal

A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Ir em baixo

A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por efepe em Seg Jun 17 2013, 21:54

A preparação
A ideia da viagem já andava pela minha cabeça e pela do Tiago desde dezembro de 2012. Foi nessa altura, uns meses depois de fazermos a N2, que decidimos que em 2013 o destino seria outro: Picos da Europa. 
Depois do destino, decidimos informar-nos. Começámos por ler alguns relatos de quem já lá tinha ido, para decidirmos o percurso, onde dormir, o que ver, etc.

Resolvemos fazer o caminho "pelo outro lado". Íamos até Léon e depois entrávamos nos picos por Potes, mais a este.
E assim foi. Uma tarde em minha casa e planeámos o percurso. Estávamos decididos a fazer não mais de 300 quilómetros por dia, para podermos parar, fotografar e não nos cansarmos. A exceção seria a saída dos Picos para Salamanca, onde queríamos passar uma noite. 

À partida seríamos sete motos e oito pessoas. Um número não muito pequeno (para mim, o ideal são 4 motos), mas que era perfeitamente aceitável. Em Dezembro já tínhamos tudo planeado. O percurso, as dormidas, com uma noite a ser passada na encosta da Serra da Estrela. 


O início (do fim)
Em Janeiro chegam notícias... O Tiago e a sua pendura não podiam ir (foram abençoados com uma gravidez), bem como três das outras motos, devido a outros compromissos (afinal de contas é mais um ano de troika).

Entre o planeamento e o arranque acontece o descalabro. Das 7 motos iniciais, passámos para apenas duas. E instala-se o pânico. Fiquei eu e o Rui. Era dia 29 de maio e eu fiquei maluco. Porque defendo que uma viagem deve ser partilhada. E quando o local é completamente novo e "emblemático", quanto mais pessoas partilharem ideias, mais rica fica a viagem (e respetivo relato). No mesmo dia ligo ao Rui. "Pá, só estamos dois para ir aos Picos. Como é?" "Não sei. Uma viagem destas deve ser feita com quatro motos, pelo menos. A do ano passado foi muito boa por isso." "Pois! Eu percebo-te. Mas como é que podemos fazer?" "Não sei. Vamos pensar um dia e depois vemos..."


O reinício
Eu já tinha os dias de férias marcados e estava ansioso por pôr a Josefa a conhecer sítios novos. Sendo assim, parti logo para a net. Passei pelo fórum "Motos & Destinos" e procurei por "viagem Portugal". Logo apareceram os relatos de várias pessoas que tinham andado pelo nosso país... li todos e pensei com os meus botões... e se desse a volta a Portugal? Logo dito, logo pensado. Ia mudar completamente o "bico ao prego". Em vez de uma viagem "organizada" como tinha sido a do ano passado (é verdade, eu adoro ter os pontos de chegada já pensados) ia fazer ao estilo "vou e depois logo se vê". Sabia mais ou menos onde queria passar e as estradas que poderia fazer, o que queria experienciar e o estilo da viagem.

Email para o Rui "Pá, voltita a Portugal? Temos as férias já marcadas. Em vez de as desmarcarmos, vamos conhecer sítios que nunca vimos em Portugal. E aproveitamos para comer e beber que nem uns lordes. Que dizes?"

Entre a pergunta a resposta ainda passou algum tempo. Eu já pensava na minha vida... estava disposto a ir sozinho. Era uma oportunidade para me desligar do trabalho, da net, dos problemas e rotinas de todos os dias. Estava decidido que levava o portátil para escrever uma crónica diária, a GoPro para fotografar uma ou outra estrada mais catita e outra máquina fotográfica, para as outras situações. A tenda, o saco cama e uma lanterna foram também adicionados. E estava pronto para seguir.

Entretanto o Rui ainda não tinha respondido. "Deve estar a mil no trabalho", pensei eu.

4 de junho. Recebo a chamada do Rui. "Pá, deixa ver se consigo livrar-me de alguma coisa daqui do trabalho. Como lhes disse que já não havia viagem aos Picos, eles fizeram uma revisão ao meu trabalho. Deixa ver. Depois eu ligo-te."

Entretanto também o Tiago me enviou um email. "Por onde vais andar entre 9 e 10 de junho?". "Pelas minhas contas, no interior, mesmo no interior. Mas eu envio-te o que planeei e depois vês." 
"Pá estive a ver. Vou tentar juntar-me a ti durante dois dias. Está cá um amigo meu, também. Possivelmente também o levo." "São os dois bem-vindos. Levem tenda."


Dia 9 de junho
Porto - Arouca - Castro Daire - Guarda
“Ai se não fosse o amor da minha vida, fugia contigo”

Saí de casa cerca das 10:30, mas não estava a olhar para o relógio. O passo seguinte foi atestar a moto. Tarefa concluída, era altura de pôr o GPS a apontar caminho. 


[a quilometragem à partida]

Arouca era o ponto intermédio deste primeiro dia. A estrada era boa, embora o chuviscar não me deixasse tirar partido de tudo o que as curvas tinham para oferecer. A moto estava carregada mais que o normal, o que, a princípio, foi uma sensação estranha (sempre eram 25-30 kg a mais que o normal).

Parei no centro de Arouca. Tirei umas fotos e deu para reparar que a chuva incomodava mais quando estava parado do que em andamento. Dei uma voltita a pé para tirar umas fotos. O sítio é engraçado, arranjado, pequeno, típico do interior norte.
Fui ao Café Central beber uma água. Aproveitei para me sentar e ouvir umas conversas. Falava-se das pessoas que tinham emigrado. Melhor, falava-se dos homens da terra que estavam fora e de como as mulheres deles andavam ali, ao “Deus dará, sabe-se lá a fazer o quê”. A certa altura, a senhora do café, enquanto falava com um dos clientes, disse “Ai se não fosse o amor da minha vida, fugia contigo”. Ri-me, claro. Não é todos os dias que se ouve uma afirmação assim de uma senhora com cerca de 50 anos. 




Rabo na moto e e lá vou eu outra vez. Castro Daire. Já lá fui várias vezes. Passei a correr quando fiz a primeira Nacional 2 (em novembro de 2011), outra vez em 2012 e há uns dois meses, numa voltita matinal. Sentei-me num café. Como era hora de almoço, pedi uma mini, um prego no pão. Não houve histórias (infelizmente). 

Paguei e resolvi pôr óleo na corrente da moto. E agora vem a estupidez. Castro Daire fica numa espécie de encosta. A moto tinha ficado numa espécie de patamar em ferro, por cima do resto da vila. Estava a 15 metros do chão. Quando tentava encaixar o “pipo” na lata de óleo, ele caiu-me. Mas não foi ao chão. Foi mesmo “lá abaixo”. Olho à volta, a ver se alguém tinha reparado. Meto-me na moto e lá vou eu procurar o pipo (sim porque, sem ele, a lata de óleo de corrente é inutil). Um quilómetro depois encontrei a entrada que ia dar abaixo do tal patamar onde estava.




Primeiro passo na “busca do pipo perdido”. Pôr a Josefa no descanso. O piso em descida foi um desafio. Superado. Segundo passo: subir a encosta e encontrar a tal peça. Cinco minutos depois de me agarrar a rochas, plantas e andar no meio do lixo encontrei-o. Quase vitória. Tinha de descer. E enquanto o fazia, vi que tinha assistência... um homem tinha parado, admirado, a ver o que estava a fazer. Botas e calças sujas de terra. Mas o pipo “já cá cantava”.

Guarda: vamos lá. A estrada era engraçada e acompanhava o Rio Ester. Foi assim até Aguiar da Beira, onde fui até ao centro. Era hora de beber mais uma água no café mais “movimentado”. Dez minutos depois já estava a andar outra vez. E aqui surge uma estrada que me deixou com um sorriso de orelha a orelha. Era a N326, se não me engano. Piso fabuloso, curvas a condizer. Um mix para deixar aqui a criança contente. 



[O pelourinho em Aguiar da Beira]

Depois veio o caminho para a Guarda, propriamente. O GPS teimava em mandar-me para uma SCUT (foi insultado de cada vez que dizia “vire à direita”). Finalmente tive de aceder. As indicações das placas indicavam Celorico, que era para norte, e eu queria ir para Sul. Cinco quilómetros depois estava eu já na N16, se não me engano. E aqui tive o primeiro impacto. De um lado, a encosta da montanha. Do outro um vale, seguido de outra encosta. Ia parando e fotografando, completamente satisfeito por ter decidido fazer esta viagem, mesmo sozinho. A 4 km da Guarda parei num pequeno miradouro. E tive de partilhar o momento. Liguei à Nuna, só para dizer onde estava e mandar uma fotografia do que estava a ver: uma pequena aldeia, com um raio de sol que cortava as nuvens a incidir por cima. O resto dos 4 km foi sempre em curva e contracurva. Como o tempo estava melhorzito, deu para puxar um pouco mais pela moto. E eu estava com um sorriso gigante.












Das paragens que fui fazendo neste dia, destaca-se o silêncio. Ensurdecedor. É impressionante perceber que nunca temos silêncio VERDADEIRO na cidade. 

Chegado à Guarda, procurei o Parque de Campismo. Check-in feito e ia montar a tenda. E logo um casal que estava ao meu lado se prontificou a ajudar. “Obrigado, mas não é preciso”, disse eu. “Tenho de fazer isto sozinho nos próximos dias. É melhor habituar-me já.”


[Casa montada na Guarda]


Saí para jantar. Fui a um restaurante chamado Marisqueira do Caçador. Nome estranho? Sem dúvida. Havia quem lá estivesse para comer marisco. E quem fosse pela carne. Fui pela segunda. E hei-de lá voltar.

Depois foi fazer os 800 metros para o parque (a pé, claro) e dormir. Havia outro percurso para fazer.

Até amanhã!


Dia 10 de junho
Guarda - Covilhã - Fundão - Castelo Branco - Nisa - Portalegre - Elvas
“me***, que me enganei. Ou não. Espera, não. Porra, é mesmo por aqui”

O amanhecer na Guarda não foi fácil. Um nevoeiro de inverno, fechado e muito húmido. Desarmar a tenda foi um desafio. Não consegui pôr o “telhado” no saco. Azar, arranjei um saco plástico e enfiei aquilo lá para dentro. O objetivo era passar em Castelo Branco e acabar em Elvas. Assim, sem espinhas. Estava frio na Guarda. Seriam uns 8 graus. Em conjunto com o nevoeiro, obrigaram-me a vestir o forro e apertar bem todos os velcros do casaco. À medida que me afastava da Guarda, o tempo ia melhorando. A estrada acompanhava. Curvas e curvas para me deitar à vontade (já me tinha habituado ao peso extra das malas). Estava tão entretido que nem cheguei a fotografar nada. Só queria mesmo fazer caminho.

Quando as curvas acabaram parei para um pouco de chocolate e água. Já tinha andado uma hora seguida (sem reparar nisso). A Josefa posou para a foto, mesmo junto à estrada, com o seu melhor sorriso. Fui andando com Castelo Branco apontado no GPS. A estrada tornou-se uma seca. “Então as retas não eram só no alentejo?”, pensei eu. E assim foi até à Covilhã. Nem me lembrava que era a cidade que me ia aparecer pelo caminho... subi ao centro para uma fotografia e café. 





E voltei à estrada. Reparei que ia passar no Fundão. Uma sorte gigante porque era a festa da cereja. Um azar ainda maior porque não tinha espaço para trazer uma caixa comigo. Optei por continuar. Mas o raio do GPS estava a querer que fosse para a AE. Outra vez??? Felizmente pedi a um senhor que ia a passar de scooter qual o caminho para Castelo Branco sem ser pela AE: “Venha atrás de mim”. Lá fui eu. Uma 650 carregada com malas atrás de uma 125 até a uma grande rotunda, com a indicação “Castelo Branco” N16. Lindo, pensei. Agora é que vai ser. E foi. Uma estrada que acompanhava a A23, se não me engano. Bom piso, curvas rápidas. Melhor seria se não tivesse aparecido um camião... lá fui eu a 60 km/h...



[O sr. de scooter que me levou à Nacional. O GPS insistia na SCUT.]

Era hora de almoçar. Como estava em Castelo Branco, procurei um sítio onde ir. Fui dar com um chamado “A tasquinha”. Quem me conhece sabe que um nome assim é chamar-me para comer. Paro a moto, saio e tal. E eis que um senhor vem ao meu encontro. Quase não percebia o que ele dizia. Mas era algo parecido com “aqui não se come, venha comigo”. E lá fui atrás de um senhor na casa dos 70, com muita dificuldade em andar. 15 minutos depois chegámos ao tal sítio que ele dizia que era bom. Era um café que tinham como “grande-prato-chamariz” Prego no prato. Disse ao meu guia que ia buscar a moto e levantar dinheiro e que aparecia num instante. Claro que nunca mais me viu. Voltei à “Tasquinha”. Portas tipo saloon. “Fabuloso, está mesmo a chamar por mim”. Entrei e pedi uma sandes de queijo curado e chourição. E ouvia os clientes a comentarem a cerimónia do a dez de junho em Elvas. “Olha, o Zé das medalhas deve ter feito algum. O PR está farto de as pôr”. Ri-me e fui comentando com eles. Saí com um “Até sempre” e voltei à estrada. 



Era para Elvas, se faz favor. Eu queria passar em Nisa. Foi uma das melhores decisões do dia. Dei comigo a descer uma estrada com 8% de inclinação, numa sucessão de curvas bem porreiras. Até que dei com o Tejo de frente. Foi avassalador. Mesmo. É gigante, o raio do rio. Mais à frente eram as portas de Ródão. Tentei fotografar com a Gopro. E segui. Não queria chega tarde a Elvas. O Tiago vinha de Lisboa para jantar e ficar para o percurso do outro dia.



Depois de passar sobre o Tejo, a estrada começou a endireitar-se. Demais. Lá vieram uns quilómetros de retas, que me estavam a deprimir. Vejo o outdoor “Bem-vindos ao Alentejo”. “Bem, mais retas, pensei eu”. Mal. Esta placa deu início a uma montanha russa de curvas. Mais uma vez, todo eu era felicidade na estrada. Curva, contracurva, terceira, quarta, terceira, segunda, terceira, quarta a fundo! 
E Nisa aparecia. E desapareciam as curvas. Chegavam as never ending retas do alentejo. Ia um pouco mais depressa que o normal. Tão depressa que falhei a saída para Castelo de Vide. Por causa disso fui obrigado a ir pelo IP2 e as suas retas e velocidade acima de 90. 




Saí em Portalegre, com o GPS a dizer “anda cá menino, tens de vir para o IP2”. Perguntei a um taxista, pelo melhor caminho sem ter de ir pelo IP2. “Vá até Arronches e depois siga as indicações de Elvas”. Em boa hora o fiz. Outra vez curvinhas para me divertir. Até começar a ver o aqueduto de Elvas. Porra, é mesmo GRANDE, pensei. Parei para tirar fotos... estava sem bateria, tanto na Gopro como na outra. Grande me***, pensei... Pronto, vamos lá para o parque. Montei a tenda, liguei ao Tiago. “Pá, estou na área de serviço, faltam cem quilómetros... uma hora e estou aí.” 

Aproveitei para descobrir onde era o Continente. Queria comprar mantimentos para o jantar. O Tiago ia trazer umas iguarias para comer. Eu ia tratar das bebidas. E aqui começa a Odisseia. 320 rotundas depois, 200 perguntas pelo meio e consegui encontrar o raio do Continente. E uma saída de 15 minutos transformou-se numa saga de quase uma hora!!! Entretanto o Tiago já tinha chegado. Sentámo-nos nas mesas de merendas do parque e pumba: queijinho, chouriço assado em bagaço, pão alentejano, azeitonas, cerveja. 



Depois uma saída a pé para “desbulhar” o jantar. E lá foram 5 km a andar. Valeu a pena porque deu para ouvir “Smoke on the water” tocado pela banda do exército (que lá estava por causa da celebração do dez de junho. Aliás, estava a banda, helicópteros, um F-16, vários veículos anfíbios e um tanque).
Tudo muito bonito e tal, mas já era tarde. Regresso ao parque e boas noites.





11 de junho
Elvas - Monsaraz - Mourão - Moura - Castro Verde
“Isto não curva nunca?”

Este foi, decididamente, o dia com mais retas. Foi também o dia com uma surpresa. Mas mais à frente falo disso. Este foi o único dia que não fiz a solo. O Tiago veio de Lisboa ter comigo. Passámos a noite em Elvas e íamos rumar até Castro Verde. Antes de sairmos, fomos tirar a foto frente ao aqueduto. Uma obra que "arrepia" de tão emblemática e imponente. 



[as motos alinhadas, já na fase de desmontar a tenda]

[a foto frente ao aqueduto]

O primeiro ponto de passagem era Mourão. Este dia era especial porque, um ano depois da N2, ia fazer estrada com o Tiago e a sua Delfina.
A saída de Elvas teve algumas curvas. Ótimas para começar bem o dia. Depois vieram as retas em estrada nacional. O Tiago ia ultrapassando para dar mais ritmo (eu gosto da velocidade caracol, confesso). A certa altura, ele ultrapassa-me e faz sinal para virar à esquerda. "Temos de ir a Monsaraz. É aqui perto e vale a pena". "Tiago, lead the way. Eu quero é aproveitar." E lá fomos. Uma estrada que cortava campos onde vacas e ovelhas pastavam. Fomos andando até chegar a Monsaraz. Subimos ao castelo, obviamente. E foi fabuloso. Pela vista de oliveiras e mais oliveiras e do mar do Guadiana. Para mim, este foi a grande surpresa do dia. Nunca pensei ver tanta água em pleno Alentejo. Ficámos meia hora dentro do Castelo. Ainda deu para nos refrescarmos (o calor era muito) e tirar algumas fotos lá dentro.







Visto o Castelo e fotografias tiradas, era hora de ir até Mourão. O caminho foi em grande parte feito sobre o Guadiana, com um conjunto de pontes, onde se viam os antigos olivais submersos pela água da albufeira. Eu fartei-me de fotografar em andamento. Ora um lado, ora outro...

E chegámos a Mourão. Eram cerca de 2 da tarde. Como a fome apertava, decidimos entrar num pequeno restaurante, o Páteo do Castelo. Escolhi uma sopa de tomate com bacalhau, ovo escalfado e ovas. Fui incapaz de comer tudo. Era muito e com um sabor fabuloso. Isto com uma cerveja, sobremesa e café ficou por 10 euros. Lindo.

Moura era o ponto de passagem seguinte. E voltavam as retas... parámos para hidratar. E voltar à estrada. Retas. Muitas, intermináveis, cansativas... até Castro Verde. Eu acho que isto aconteceu, em parte, porque me enganei a certa altura (segundo o Tiago) e entrei no IP2. E seguimos. O Tiago ultrapassava-me para dar mais ritmo. Íamos a mais de 90 km/h e eu dei comigo a pensar "lá se vão as médias abaixo dos 5 l/100 km"... e continuámos no mesmo: retas, retas, retas, retas até Castro Verde.

Praça Central, a mini do fim do dia e esticar as pernas à sombra, quase uma hora nisto, enquanto o Tiago fazia contas se ia de madrugada para Lisboa ou arrancava daí a pouco. Decidido, lá arrancou para Lisboa. E voltei a ficar em modo solo ride outra vez. 
Eu fui para o Parque de Campismo. Check-in feito. Uma tenda, uma moto e uma pessoa. "E sombras, tem?" A senhora torce o nariz e diz "Temos aqueles sítios ali mais abaixo, com aquelas tiras verdes, está a ver? Ali tem alguma sombra".
Inspeciono o local. Terreno duro, com muitas pedras pequenas. Volto à receção. "Desculpe, em vez da tenda, fico no bungalow. O Alentejo tem muitas retas. E elas cansam mais que as curvas."
Eu estava mesmo estafado. Demasiado tempo na mesma posição em cima da moto, sem curvas para eu descansar um pouco..
O bungalow era enorme! Supostamente era para duas pessoas, mas cabiam 4 à vontade. Transferi tudo da moto para o interior. Aproveitei para lavar umas coisas e aceder à net (que devia ser do tempo dos modem). Banho tomado e lá fui eu à procura de sítio para jantar. 



[a Josefa a descansar frente ao bungalow]

Como em todos os sítios por onde passei e parei, evitava comer fast-food ou algo que fosse próximo disso. Fui ao restaurante "Planície", no largo da Feira, ali mesmo junto ao moinho. Um dos pratos que tinha era o cozido de grão, com enchidos de porco e carne do mesmo. E o twist era mesmo a folha de hortelã, que dava um sabor único ao prato. Antes do cozido, ainda comi as azeitoninhas, o pão alentejano. Tudo regado com um vinho tinto da casa. Resultado: 7,5€. Bem bom!
Enquanto jantava ainda deu para me rir com um dois senhores, da mesa ao lado, que conversavam sobre a internet. "Basta ires ao gugle para encontrares gajas boas! Só tens de escrever isso e aparecem logo muitas para ver! E tudo de graça!"

Ri-me, paguei e fiz a caminhada de volta ao parque. E dormi.


12 de junho
Castro Verde - Monchique - Sagres - Aljezur - Zambujeira do Mar
“É desta que vou beijar o asfalto”

Estava à espera deste dia. Que me lembre, nunca tinha ido a Sagres. E, não sei porquê, a ideia de lá ir estava a ganhar forma e espaço na minha cabeça. 
Acordei e vim à janela. O tempo estava encoberto. "Fixe", pensei eu, "não vou ter o calor infernal de ontem".
Fui comprar o pequeno almoço e voltei. Comi e comecei a preparar a moto para a viagem. De repente estava calor, outra vez.
Apontei para Monchique. Queria fazer algumas curvas para tornar a viagem mais interessante. E assim foi. Sempre a curtir curvas e paisagens engraçadas. A meio ainda parei numa aldeia no meio de nenhures. Aproveitei para descansar. Acho que me fartei de tirar fotos nesta parte do caminho.



Cheguei a Monchique e nitidamente o sorriso tinha voltado aos meus lábios. As curvas serviram para esquecer as retas intermináveis do dia anterior. Aproveitei para beber mais água e descansar numa sombra. Meia hora depois já tinha "baixado a temperatura" e estava pronto para a estrada. 



Descer a serra foi tão bom como lá chegar. Agora estava a caminho de Sagres. O caminho estava carregado de ninhos de cegonhas. E tudo corria bem. Até chegar à N125. Ainda foram alguns quilómetros, com muitas zonas a 50 km/h e a pressa dos outros condutores em ultrapassar-me. 

Finalmente via Sagres. Não fosse o vento insuportável de Lagos até lá e eu tinha curtido mais as curvitas que foram aparecendo. Em Sagres tirei a foto obrigatória junto ao forte de S. Vicente. E no cabo com o mesmo nome. Aproveitei que estava muito vento para me deitar e baixar a temperatura (o sol não aquecia com a ventania).





Fui até a um barzito comer uma tosta mista com tomate. Fabuloso! Descansei mais um pouco e decidi subir a costa vicentina. Queria dormir em Aljezur. Mas o vento na estrada era insuportável. Que me lembre, nunca tinha circulado com tanto vento. E por isso não conseguia ir a mais de 70 km/h. E a lutar para manter a moto em pé. A meio do caminho apareceu um parque eólico, onde parei para a foto com as turbinas de vento em fundo. 



De volta à estrada, as retas já eram menos e o vento diminuía à medida que as curvas apareciam. Mas nesta altura tive frio. Ia sem o forro do casaco e ao longe viam-se umas nuvens negras no céu. "Mau", pensei eu, "tu queres ver que vou ter de acampar com chuva?" 
Parei em Aljezur para me refrescar. Como as nuvens pareciam pairar aí, decidi continuar a andar. O caminho já tinha mais curvas e a temperatura parecia aumentar, à medida que continuava para norte. Foi a melhor decisão que poderia ter tomado. E fui andando. Parei na Zambujeira do Mar. Sabia que tinha Parque de Campismo e eu gostava daquela terrinha.
Check-in, montar a tenda (como o terreno era arenoso, tinha a certeza que nessa noite haveria colchão), banho e partida até à beira mar.

Sentei-me numa esplanada. Era a altura em que o pôr-do-sol acontecia. E foi fabuloso ver para aí 20 pessoas, na pequena capela que existe junto ao mar a apreciar o momento. Impagável.



Jantei e voltei ao Parque. Tinha de carregar baterias, pilhas e o que mais houvesse. O dia seguinte seria em direção a Troia, com passagem no ferry, e final em Alenquer.

Depois daquele pôr do sol maravilhoso, ainda havia mais. Recebi um telefonema de um amigo que me deixou verdadeiramente feliz. Tinha arranjado trabalho. Num sítio de sonho!.


(continua)


________________________
avatar
efepe
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Joao Luis em Seg Jun 17 2013, 22:09

O 29 e meu Palmas Palmas
avatar
Joao Luis
Já dorme com a moto!
Já dorme com a moto!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Carlos Balio em Seg Jun 17 2013, 22:35

Boas Francisco:palmas:
Uma volta a Portugal bem documentada, como tal o 30 é bem merecido...
Venha mais, e obrigado
avatar
Carlos Balio
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Zecacbr em Seg Jun 17 2013, 22:48

Mas que grande 31.


Venha o resto.

Abraço

Zé Carlos
avatar
Zecacbr
Já conduz... mal!
Já conduz... mal!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Luís Azevedo em Seg Jun 17 2013, 23:18

Mérito pela dica do "gugle"
avatar
Luís Azevedo
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Rui em Ter Jun 18 2013, 08:04

Pareceu-me ver a Josefa fora de estrada...
Já não tens desculpa... hihihi Mérito

________________________
Felicidade é um modo de viajar, não um destino.
Roy Goodman

https://www.facebook.com/emergenciamotociclista?ref=hl

com4riding.blogspot.com

Andorra 1984

Férias Moto 1983
avatar
Rui
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


http://www.com4riding.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por efepe em Ter Jun 18 2013, 09:37

E aqui está o prometido "timelapse" da gopro do segundo dia.

________________________
avatar
efepe
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por legasea em Ter Jun 18 2013, 09:56

Boa, Filipe.
Dei uma bela passeata contigo. Há sempre por aí tanto para descobrir e nos surpreender.

Este gingarelho ajuda a manter as baterias carregadas.

http://www.optimate.co.uk/o-101.htm
 
Agora vou ler a 2ª parte.

________________________
prós acamados nas cabanas do tédio......não há remédio.......é deixá-las arder.....
"lacraus"



ADVirtam-SE
avatar
legasea
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por efepe em Ter Jun 18 2013, 10:23

A falta de bateria era mesmo nas tecnologia todas que levei. Máquina fotográfica e gopro. Mas é sempre bom ter essas dicas. Obrigado!

________________________
avatar
efepe
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por legasea em Ter Jun 18 2013, 10:25

E é mesmo para esses equipamentos.

________________________
prós acamados nas cabanas do tédio......não há remédio.......é deixá-las arder.....
"lacraus"



ADVirtam-SE
avatar
legasea
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por efepe em Ter Jun 18 2013, 10:32

hmmm... interesting! como vi optimate no link, pensei que era para a bateria da moto. Smile

________________________
avatar
efepe
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por santos466 em Ter Jun 18 2013, 12:55

Vou passar para o resto da viagem! Consegui "viajar" um pouco enquanto estou a apanhar seca aqui dentro de estudio!

Obrigado por inventarem telemoveis com internet e obrigado pela "companhia " que me fizeste nesta manhã !

Mérito está claro!

________________________
Boas curvas!
Pedro Santos
*Fazer600 99 *Yamaha Thunderace 1000cc *Daelim S2 125cc *Fazer600 02
avatar
santos466
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Elisio FJR em Ter Jun 18 2013, 17:06

Crónica indecentemente deliciosa, muito obrigado!!!

Já quanto ao timelapse da gopro - please, não podias ter pura e simplesmente colocado mais uma das tuas excelentes fotos???

Vou ficar à espera do final!

Mais 1 M

________________________
MY LIFE IS A HELL!!!
avatar
Elisio FJR
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Simone em Ter Jun 18 2013, 20:57

Bom relato e fotos!
Vou ler o resto!! Fixe

Mérito
avatar
Simone
Já conduz... mal!
Já conduz... mal!


http://martasimone.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por zephex em Ter Jun 18 2013, 21:24

Que voltinha impecável Francisco! Temos que ir tomar um café para me contares isto na 1a pessoa.

Sai mais 1 mérito.

Abraço
avatar
zephex
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por efepe em Ter Jun 18 2013, 22:12

Obrigado a todos!

Zé Paulo, vamos a isso. Estás pronto para me ouvir falar muito tempo? Wink

________________________
avatar
efepe
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por so.usa em Qua Jun 19 2013, 08:26

,, Bela volta!! Fixe
nem sempre há "nexexidade ir pó estrangeiro"
aki no "nosso"? cantito existe tantas coisas desconhecidas para ver Exclamation
,,,,estou a gostar mt.
avatar
so.usa
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por carlosferreira em Qua Jun 19 2013, 18:52

:merito:Excelente
avatar
carlosferreira
Motociclista a começar.
Motociclista a começar.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A (não) ida aos Picos - Solo Ride PT'13 _parte01

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum