Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Pub
Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
» [Novidade] Royal Enfield Himalayan, uma aventura “low cost”
por Serzedo Hoje à(s) 10:30

» Rota dos Balcãs - 2017
por Vítor Soares Qua Dez 13 2017, 20:27

» Outono no Gerês
por JCTransalp Qua Dez 13 2017, 12:43

» [Revista] YAW - a primeira publicação, alimentada a gasolina.
por Serzedo Seg Dez 11 2017, 18:25

» Evento de Natal do M&D dias 2 e 3 de Dezembro Actualizado 01/11/2017
por carlos lopes Sex Dez 08 2017, 13:26

» [Legislação] Conduzir motas aos 14 anos...
por nunomsp Qui Dez 07 2017, 12:24

» [Novidade] MV Agusta Turismo Veloce - 2018
por LoneRider Sex Dez 01 2017, 18:14

» [Notícia] Moto Clube do Porto distinguido pela FIM
por LoneRider Sex Dez 01 2017, 18:05

» [Ocupar tempo] Fazer réplicas de motas em papel
por Serzedo Qui Nov 30 2017, 12:43

» 2017 - Normandia e Vale do Loire
por hugo machado Qua Nov 29 2017, 09:28

» Serra da Estrela - Cores de outono
por carlos lopes Ter Nov 28 2017, 21:18

» [Entrevista] André Pires - GP Macau & Isle of Man TT
por carlos lopes Seg Nov 20 2017, 20:41

» De Moura a Baucau "Out of the Box"
por Espsanto Sex Nov 17 2017, 21:53

» Caminito D´Del Rey
por Espsanto Ter Nov 14 2017, 19:31

» N2 Aljustrel a Pedrogão Grande
por Joao Luis Seg Nov 13 2017, 22:39

» [Notícia] Fim da revista Motociclismo?
por Serzedo Seg Nov 13 2017, 16:56

» [Novidade] Yamaha Tracer 900 GT - 2018
por piratao Dom Nov 12 2017, 20:42

» [Novidade] Agora o Motos & Destinos também no Topic'it
por Espsanto Sex Nov 10 2017, 23:11

» [Notícia] Miguel Oliveira vence Grande Prémio da Austrália
por carlos lopes Ter Nov 07 2017, 20:29

» De Lisboa a Sagres pela Costa Vicentina
por Nfilipe Dom Nov 05 2017, 15:34

» PARQUE NATURAL DE SOMIEDO - Viagem de Verão
por Espsanto Sex Nov 03 2017, 23:31

» AJUDA PARA CASTANHEIRA DE PERA
por Panzer Tank Dom Out 29 2017, 13:51

» O Caminho de Mota para a India
por Joao Luis Dom Out 29 2017, 10:03

» 3 dias pelo Alto Alentejo e Beira Baixa
por LoneRider Sex Out 27 2017, 19:20

» Viagem a Évora na nova (usada) mota
por Cesar Filipe Sex Out 27 2017, 19:15

» O regresso a Monsanto
por Cesar Filipe Qua Out 25 2017, 00:38

» TRAVELER´S EVENT
por banglentininkas Seg Out 16 2017, 10:22

» Costa Alentejana
por Pedro Rodrigues Qui Out 12 2017, 00:11

» Volta ao Mundo de Francisco Sande e Castro
por Espsanto Ter Out 10 2017, 22:07

» Redescobrindo o Brasil
por Espsanto Ter Out 10 2017, 21:54

» 2017 - Milão/Stelvio/Dolomitas/Liubliana/Verona
por Espsanto Ter Out 10 2017, 21:27

» Uma Viagem ao Centro do Mundo...
por Joao Luis Seg Out 09 2017, 13:55

» Exposição de motas antigas - Matosinhos
por Serzedo Qui Set 28 2017, 09:44

» [Notícia] Mig44 foi 2.º no GP de Aragão
por Serzedo Seg Set 25 2017, 09:40

» BOA NOVA
por Serzedo Qui Set 21 2017, 14:20

» BMW CKLT Jantar das Terças Feiras By João Luis
por Joao Luis Ter Set 19 2017, 22:42

» [Notícia] Ana Carrasco é primeira mulher a vencer num Mundial
por carlos lopes Seg Set 18 2017, 21:54

» picos da europa 2017
por Carlospira Qua Set 13 2017, 21:46

» [Notícia] Federação de Motociclismo oferece árvores
por Serzedo Qua Set 13 2017, 09:40

» Casamento Nádia & Fábio
por Serzedo Ter Set 12 2017, 20:34

» No Cabo de Gata
por Saulo wds Seg Set 11 2017, 12:45

» como transportar moto do brasil para portugal
por luisfilipe Sex Set 08 2017, 22:00

» Mais do mesmo... mas diferente: Tomates aos Picos!
por Joao Luis Qua Set 06 2017, 18:16

» De Lisboa aos Picos da Europa (4 dias)
por diariodoviajante Seg Ago 28 2017, 11:53

» 4 dias por Toledo, Segóvia e Ávila
por diariodoviajante Seg Ago 28 2017, 11:50

Tempo
Al!ve FM

Quarta-feira das 21h às 24h Burn - A hora dos motards

Mapas
Flux RSS


MSN 
AOL 


Doação por Paypal

Passeando por caminhos Celtas - 2014

Página 7 de 8 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Dom Jan 18 2015, 22:20

22 de agosto de 2014

Tinha chovido de noite, mas nem assim o ambiente era menos bonito no hostel onde eu ficara. Recantos de jardim, com flores e plantas, sempre me atraem para ficar um pouco, acompanhada de um chá quente e o meu caderninho de desenhos!



Ao tempo que eu não desenhava a caneta sépia, uma cor que eu usava muito antigamente, quando o espaço na moto era muito pouco e eu levava apenas um lápis, uma caneta e um caderninho de desenho! Depois o espaço foi aumentando e os materiais diversificando, mas volto àquela cor a cada passo, em desenhos rápidos e gosto!



Depois de uma noite de chuva, o céu estava límpido e azul, como se ela tivesse lavado tudo muito bem! Do outro lado do rio Taff ficava o Millennium Stadium, que é o principal estádio do País de Gale. É enorme, já foi o maior do Reino, julgo que o maior hoje é o Wembley.



Imponente! Tinha de lhe dar a volta cada vez que saía de casa, por isso naquele dia dei-lhe mais uma volta, já que não o visitei, vi-o de todos os ângulos por diversas vezes!



Naquele dia eu iria até Londres. A sensação de estar a voltar para casa era tão presente que só me apetecia dar mais uma volta e outra e não voltar!

Mas daria uma volta e outra e seguiria para a capital, que esta vida não se faz apenas de passeio… infelizmente!

E uma das voltas que eu daria, seria para tentar ver a Llandaff Cathedral por dentro, já que quando lá estivera 2 dias antes ela estava fechada!



Desta vez desci a rua que leva até pertinho dela, com direito a todo o espaço do mundo para a minha bonequinha ficar enquadrada com a igreja!



E se o exterior era aquela imponência antiga que eu já conhecia..



o interior da igreja era curioso, com uma construção cilíndrica lá em cima, como que a encimar um pórtico! Aquela gente lembra-se de cada coisa!



Alguém tocava órgão enquanto eu me preparava para passar aquela espécie de fronteira sagrada para um lado qualquer!



Apesar das coisas que lhe acrescentaram a igreja é linda e o altar luminoso com o sol nascente, como numa igreja deve ser!



Aquele santo enorme em cima da entrada para o altar é que não me deixava sequer raciocinar!



E era ao lado do santo enorme que o tocador de órgão estava! Aquela catedral tem uma grande tradição de organistas e coros!



Ali ao lado ficava uma parte bem mais civilizada do cemitério, que eu tive de espreitar rapidamente!



Oh, e lá estavam as cruzes celtas lindas! Afinal Cardiff é a capital do País de Gales, que é um dos caminhos celtas!





E só então comecei o meu caminho na direcção da capital!



A paragem seguinte estava marcada na minha agenda havia muito tempo, por isso não foi por acaso que eu passei ali, subindo o mapa em vez de ir direta a Londres! Havia algo que eu queria muito ver em Tewkesbury…



E lá estava ela, no meio de uma belíssimo relvado com árvores centenárias a fazer a receção a quem chegasse!



Sim, era mais uma igreja que eu queria ver, mas não era uma igreja qualquer!



Era só uma das igrejas mais bonitas que se possa imaginar!

“Há momentos gloriosos numa viagem, quando a beleza transcende os nossos sentimentos e provoca profundas emoções! Assim aconteceu quando entrei na Tewkesbury Abbey, a Abbey Church of St Mary the Virgin, um monumento à beleza e à grandiosidade da obra humana para elevar a obra de Deus! Sinto-me sempre tão pequena e insignificante junto de uma construção daquelas, um exemplar único da arquitetura românica no reino com pormenores únicos na Europa, como a grande torre central. Quantos anos tem? 900? Uma beleza antiga e eterna…”

(in Passeando pela vida – a página)







“A Abbey Church of St Mary the Virgin, ou simplesmente Tewkesbury Abbey, é um edifício espantoso! Construída entre os séc. XI e XII, possui a maior e mais espantosa torre românica de toda a Europa. O seu interior é deslumbrante, tudo combinava para me encantar, desde as luzes até à música que se fazia ouvir. Andei por ali a vaguear, fotografei-a de todos os ângulos, tentei desenha-la, mas o que eu queria mesmo era estar ali, apenas estar! Um espelho, estrategicamente posicionado no início da nave, permite apreciar o magnífico teto sem erguer a cabeça, mas eu andei por ali de nariz no ar até ficar com tonturas! Tudo é tão bonito…”

(in Passeando pela vida – a página)





Que coisa mais bonita!



Não sei quanto tempo fiquei por ali, mas foi muito, a considerar pelas horas que passam nas fotos que tirei!





E a fachada é impressionante, com enormes janelas em vez de uma rosácea!



Finalmente lá me pus a andar dali para fora! Estava cheia de fome e o tempo a passar sem que eu fizesse o menor esforço por ir comer! Uma coisa boa que aquele país tem para comer, são as empadas! Uma delícia, com recheio de carne e legumes, não são nada enjoativas e são enormes!

Bora lá às empadas que têm espeto de rissóis mas são gigantes! Eu já as conhecia de outras andanças, quando estivera em Stratford-upon-Avon da última vez!



Stratford-upon-Avon, a terra de Shakespeare!

Desta vez consegui fotografar a casa do homem sem uma multidão de pessoas a fazer pose em frente, para a fotografia!



O famoso bobo, retirado de uma peça de Shakespeare, à entrada da rua antiga…



Acho que toda a gente que vai a Stratford tem uma foto junto do bobo e outra junto da casa do homem!



Toda a gente, nem por isso! Eu não tenho!

Peguei na minha empada, que não tinha fim, e fui-me sentar junto da casa mais famosa daquela terra e pude acompanhar um bom pedaço do que é o dia ali: fotos e mais fotos junto da casa!



Em frente fica uma loja onde é sempre Natal! Pelo menos é tudo o que lá se vende: enfeites de Natal, mesmo em agosto!



Lá também havia quem se pusesse em pose para a foto!



E aquela rua é uma permanente animação, com gente que vai e vem todo o tempo!



Não admira, porque para além de ser uma terra famosa pelo seu habitante mais ilustre, é muito bonita, cheia de construções medievais extraordinárias, com pormenores encantadores!





A gente pode até imaginar o próprio Shakespeare a passar ali ao lado, de tão perfeito enquadramento da época se preservou!





Quando voltar a passar ali vou ficar num hotel daqueles!







Desta vez eu não tinha tido qualquer dificuldade em estacionar a minha motita, bem no meio da rua, junto de outras “coisas com duas rodas”!



Ela tinha despertado alguma atenção, havia gente parada a olhar para ela quando eu cheguei perto! Fico sempre orgulhosa quando isso acontece!



E sai uma selfie enquanto espero para passar no meio do transito!



Havia outra coisa que eu queria visitar ali: a Anne Hathaway's Cottage.

Ali tive de pagar parque, fica original a minha motita com um bilhete pendurado nela!



E lá estava a casa!



“A Anne Hathaway's Cottage é considerada uma das casas mais românticas da Inglaterra porque ali Shakespeare namorou Anne, a sua futura esposa. Uma casa do séc. XV com algumas atualizações posteriores, já que pertenceu à família até ao séc. XIX. Shakespeare tinha apenas 18 anos quando casou com Anne, que era mais velha uns 8 anos do que ele. Já na época ela engravidou e eles tiveram de casar rapidamente, pois era inaceitável haver filhos fora do casamento em pessoas de bem! Embora mais velha que o marido, ele faleceu 7 anos antes dela. A casa é muito bonita e os jardins muito grandes, cheios de árvores de fruto que eu fui “depenicando” ao passar. Perto da casa há um banco que é uma escultura, que lembra uma gôndola, e foi criada inspirada no “Mercador de Veneza”, uma peça de teatro de Shakespeare.”

(in Passeando pela vida – a página)



Os jardins são interessantes e levam-nos em passeio romântico de uns lados para os outros!



G



A casinha é tão encantadora que eu simplesmente não conseguia afastar-me dela!



Fotografava-a e voltava a fotografar, desenhava-a e voltava a desenhar, e quase me esquecia de ir ver por dentro!



E se por fora parece uma casinha de bonecas, por dentro ela é mesmo!







da “gôndola” o enquadramento era tão bonito!



E dali eu fiz alguns desenhos também, para além de me fazer fotografar!





Mas na redondeza tudo é tão bonito, até as simples casas de habitação dos vizinhos!



E o dia estava tão bonito que eu não resisti a ir a outro destino que tinha em mente havia muito tempo!



Lower Slaughter, mais uma terrinha de histórias de encantar que eu queria tanto ver!

Mas nada do que esperava se assemelhava realmente ao que encontrei! Porque, para além de uma vilazinha linda, que eu pensei que era apenas uma aldeia, as pessoas eram tão acolhedoras e simpáticas que me apeteceu ficar por ali mais tempo! E foi o que acabei por fazer!



Quando cheguei, pela margem direita do rio, as pessoas pararam! Eu tive a sensação de que tudo parou, pois quem estava na rua do outro lado do rio, ficou a olhar, seguindo a moto à medida que eu passava à procura de um lugar para parar. Fiquei apreensiva com a reacção, mas depois as pessoas sorriam para mim quando eu comecei a caminhar por ali, de máquina fotográfica em punho!



O rio Eye parece apenas um pequeno riacho desenhado por medida para atravessar a localidade, com a dimensão certa, sem perturbar nada e ainda tornar tudo mais encantador!



A igreja dedicada a St. Mary the Virgin, de origem ni séc. XII, mas reconstruída no séc. XVIII, também está lá “por medida”!



Uma terrinha linda não estaria completa sem uma igreja encantadora!



E as casinhas nas margens do rio espantosamente perfeitas, em pedra clara iluminando o ambiente!





Então quando cheguei ao moinho de água, com a sua roda e a chaminé, e puxei do meu livrinho, acho que foi o espanto total! Eu já nem sabia se devia desenhar ou seguir o meu caminho, pois varias pessoas se chegaram descaradamente a mim para ver!



Acabei por lhes dar o prazer de me verem desenhar o que era património seu! E foram momentos bem passados no final, acabando por conversar um pouco com as pessoas e desenhar outras casas na redondeza!





E sim, havia por ali gente, mas fizeram o favor de se afastar para eu poder tirar fotos e desenhar sem ninguém na frente! Tão queridos! Claro que me servi da sua simpatia e desenhei algumas perspectivas com pessoas na frente!





Foi tão bom ter ido ali! Deixou um sabor tão agradável de simpatia e gentileza, que fiquei com vontade de lá voltar!



E o dia estava a acabar em paisagens tão inspiradoras, como eu gosto tanto que aconteça em viagem!



E então segui para Londres, sem querer fazer mais nada senão saborear todos os encantos daquele dia. Eu estaria em Londres tempo suficiente para não precisar de me apressar em visitar a cidade a correr naquela noite!



E foi o fim do 25º dia de viagem…


Última edição por Gracinda Ramos em Qui Fev 19 2015, 20:23, editado 3 vez(es)

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Carlospira em Seg Jan 19 2015, 23:03

Boas,

Continua qualquer coisa de extraordinário esta foto-reportagem !!!!!
Que paisagens maravilhosas !!!!!
Leva mais um Mérito para a visita a Londres .... Very Happy

Beijucas ( como alguém por aqui diz... Very Happy )

________________________
CARLOS PIRES
Mama Sumae !!
avatar
Carlospira
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Elisio FJR em Sex Jan 23 2015, 15:02

Caramba Cachopa, ainda não estás farta de andar por aí????? Anda-te embora!!!!!!!!!!!

Mais 1 M

________________________
MY LIFE IS A HELL!!!
avatar
Elisio FJR
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Carlos Balio em Qua Jan 28 2015, 23:14

Já cá não vinha à alguns dias, mas é sempre tão bom ler estes pedacinhos da tua viagem.
Obrigada Gracinda, Mérito
avatar
Carlos Balio
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Dom Fev 01 2015, 20:09

@Carlospira escreveu:Boas,

Continua qualquer coisa de extraordinário esta foto-reportagem !!!!!
Que paisagens maravilhosas !!!!!
Leva mais um Mérito para a visita a Londres .... Very Happy

Beijucas ( como alguém por aqui diz... Very Happy )

Obrigada!

Londres sai já a seguir! Vrummm

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Dom Fev 01 2015, 20:10

@Elisio FJR escreveu:Caramba Cachopa, ainda não estás farta de andar por aí????? Anda-te embora!!!!!!!!!!!

Mais 1 M

Não sejas assim, vá lá homem!
O tempo tem sido tão pouco que nem consigo seguir com a história, mas se quiseres eu paro! Gozar

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Dom Fev 01 2015, 20:12

@Carlos Balio escreveu:Já cá não vinha à alguns dias, mas é sempre tão bom ler estes pedacinhos da tua viagem.
Obrigada Gracinda, Mérito

Obrigada!
Está mesmo complicada a minha vida! Há anos assim, que tenho de levar alunos a exame e não tenho tempo para mais nada senão ler,corrigir, ensinar e avalia.
Mas já falta pouco para acabar! Embarassed

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Dom Fev 01 2015, 20:21

23 de agosto de 2014

Tirei o dia para ver Londres!
Melhor, para ver o que não tinha visto de Londres, porque a cada vez que ali passar terei sempre coisas novas para explorar.

Só assim uma cidade nunca perderá o interesse para mim… Eu não estava hospedada muito longe do centro, mas não poderia deixar a moto onde estava, tinha hora marcada para poder ficar estacionada, até às 8.00h da manhã. Por isso peguei nela e foi para o centro. As motos ainda são os veículos que mais facilmente podem circular pela cidade, todos os outros têm bastantes restrições.



Eu gosto muito de conduzir pela cidade, andar no meio do trânsito, mesmo que seja caótico. Gosto de ver como funciona a cidade, como se comportam as pessoas, como vestem, o que fazem pela manhã…



Era fim-de-semana, a cidade encher-se-ia de turistas e de gente a passear, porque quando está sol, não há inglês que se prese que não venha para a rua aproveitar o sol e o céu azul!



Naquele dia eu iria encontrar-me com um amigo do Facebook a viver em Londres no Ace Café, por isso passei por lá a ver se ainda sabia o caminho, não fosse à última da hora perder-me na noite e não dar com ele!



Entrei.

Não havia muita gente por lá, mas havia a gente suficiente para um ambiente simpático.

Quando saí, um casal observava atentamente a minha moto, conferia os autocolantes e apreciava-a de todos os ângulos. Eram galegos e fizeram-me uma festa! Fizemos uma festa todos a bem dizer! Eles entendiam muito bem o português, como galegos que eram, e ficaram muito felizes por descobrir que a moto era mesmo portuguesa e a condutora uma mulher!

Os presentes olhavam divertidos para nós os 3 sem entenderem a nossa conversa mas percebendo a nossa alegria. Aproveitei para tirar umas fotos com a moto em frente ao café, que das últimas vezes que lá estivera não conseguira por ser de noite!



Claro que não faltou quem me tirasse fotos a mim também junto da moto! Fantástico! Eu, que nunca fico nas fotos, ao menos que tenha uma foto junto da moto no Ace Café para a posteridade!



As motos estão por todos os lados na cidade e eu lá me fui arriscando a levar com uma multa nos olhos por fotografar de cima da minha!



Havia coisas que eu queria ver na cidade que ainda não tinha visto! Há sempre afinal! Como a Westminster Cathedarl! Porque da Westminster Abbey não falta assunto é famosa pelos eventos reais que lá se realizam, é anglicana e faz uma diferença de 9 séculos em relação à Catedral, que é católica e bem mais recente. A Abadia é do séc. XI para a Catedral do séc. XX.



O edifício é muito bonito, todo em tijolo vermelho no exterior e, no interior, cheia de mosaicos impressionantes. Estava a realizar-se um casamento e não era permitido andar muito pelo interior, por isso limitei-me a dar uma volta lá por dentro…



Impressionante!



Tentei tomar atenção à celebração, acho sempre piada ouvir as mesmas orações em línguas diferentes! Eram em tudo iguais às nossas!



As capelas laterais dedicadas a diversos santos são tão impressionantes quanto a nave principal!





Havia ali um parvo qualquer que chamava a atenção de todos os que entravam para não se aproximarem da frente da igreja por causa do casamento, claro que para estar à porta a ser indelicado com quem entrava, não podia andar atrás de quem passeava, por isso deve ter tido vários ataques do coração a cada vez que eu ia mais um pouco até à frente! Mas quando as pessoas são estúpidas comigo eu tendo a ser um bocado indiferente às suas ideias… sorry!



Em frente fica uma construção imensa em vidro, um centro comercial que, não sendo nem fechado nem ao ar livre, proporciona perspectivas interessantes da sua arquitectura de vidro. Curiosamente não é permitido fumar ali, embora não seja um espaço fechado.



A bem dizer o Reino Unido anda a tomar medidas drástica contra o tabaco, já que está a tratar de legislar a proibição de fumar mesmo dentro de automóveis particulares! Um dia não se poderá fumar nem dentro da própria casa…



E fui passear para o centro, onde tudo se passa e onde está tudo o que um turista quer ver! Olhando de longe por cima da multidão e da trapalhada, podia-se ver logo um pouco de tudo!



As voltas que eu dei até conseguir parar a moto sem transgredir nada! Nessa procura de um lugar passei por uma moto de emergência médica. O homem ficou a olhar para mim e eu voltei a temer levar com uma multa por o estar a fotografar de cima da minha moto, mas ele não veria a minha matrícula e estava demasiado ocupado para me registar… digo eu! Eu simplesmente não podia ficar indiferente, ainda por cima a moto era uma Pan European prima da minha! Linda!



E lá estava, agora sim, a Westminster Abbey, a famosa!





“A Westminster Abbey é aquela construção que é quase uma personagem na história do Reino! Ali se coroam, se casam, se enterram os monarcas! Pertinho do parlamento e do famoso Big Ben, é um apontamento de história antiga que se visita com todo o respeito. Andei por ali como quem passeia por uma imagem de televisão ou um postal ilustrado, não fossem as muitas pessoas que perturbavam o clima cénico do espaço. A construção é gótica, do séc. XI, e está cheia de túmulos! A quantidade de gente que ali está enterrada enchia um cemitério convencional. Quando me questionarem como não me incomoda passear num cemitério, eu perguntarei como não incomoda passear numa catedral medieval cheia de túmulos? Não se pode fotografar lá dentro, mas eu roubei uma ou duas fotos… apenas para registar o momento! A catedral é linda e é como um grande livro de história, que se conta a cada passo que se dá pelo seu interior…”

(in Passeando pela vida – a página)



A gente leva o áudio-guia e vai catando por ali, no meio de uma multidão de turistas, sem poder apreciar cada recanto como seria desejado… uma pena!



Ao menos nos claustros ninguém nos impede de fotografar e, claro, não faltam turistas frenéticos a tentar subir nos parapeitos e nos muros para tirar fotos, como se estar no chão não fosse coisa boa para a foto…



À saída ainda roubei uma foto do Trono de Eduardo, o Confessor. King Edward's Chair, o trono onde todos os reis britânicos são coroados desde o séc. XII.



É sempre estranho passar-se por cima do tumulo de uma grande personalidade, como Winston Churchill, para se entrar e sair de um local…



Na fachada de uma catedral gótica é comum encontrarem-se figuras, como na catedral de Notre Dame de Paris com a sua Galeria dos Reis. Ali as figuras representam os mártires do século XX, aos quais se juntam a Verdade, a Justiça, o Perdão e a Paz, em formas humanas, uma simbologia que pretende abarcar todos mártires que continuam a existir a todo o momento, pelo mundo fora



“Eu estive tanto tempo dentro da Westminster Abbey, ouvi todas as histórias e explicações do áudio-guia, fui e voltei, “roubei” alguma fotos e deliciei-me! Quando saí era já dos últimos visitantes e as pessoas saiam diretas para o portão que se fecharia a seguir, mas eu queria ver mais um pormenor ali ao lado. Junto do muro, no chão, no pátio que se forma aos pés da catedral, uma discreta mas lindíssima homenagem a quem morreu inocente, vítima de opressão, violência e guerra… Muitas pessoas passaram sem ver e tentavam fotografar através das grades da parte de fora do muro. Há pormenores que me prendem a atenção, mais que alguns grandes monumentos…”

(in Passeando pela vida – a página)



O céu continuava lindo cá fora e as perspectivas da fachada da catedral ficavam deslumbrantes em contraste com o céu azul! Eu tinha de aproveitar aquela luz e cor para ver a redondeza!



Que lindo dia para passear e para desenhar! Eu tinha de ir ver as coisas do outro lado do Tamisa e, quem sabe, tentar desenhar um pouco, se não estivesse tudo cheio de turistas!



Londres é linda com sol!



O Big Ben é impressionante! Foi construído no séc. XIX em estilo neogótico e foi baptizado com o apelido do ministro das obras publicas que ordenou a sua construção! Curioso, se fosse baptizado com o nome do homem chamar-se-ia Benjamin, como levou a alcunha ficou Big Ben até hoje! eheheheh



E lá estava ele em contraluz, visto do outro lado, mesmo por cima da ponte!

Curiosamente a torre tem vindo a inclinar com o tempo, sendo hoje de meio metro no topo em relação à base. Parece que não é nada de preocupante nem nada que a faça vir a ficar parecida com a torre de Piza, mas como se desconhece a razão, há que investigar, não vá ela aumentar o ritmo de inclinação que já leva e que é, segundo dizem, de quase 1 milímetro por ano.



Fui atravessando a Westminster Bridge e olhando para o perfil do parlamento magnífico! O sol e as nuvens criam enquadramentos verdadeiramente dramáticos e impressionantes!

Do outro lado, ao longe o London Eye, que não visitaria, afinal já lá estivera da última viagem ao país!



E são momentos mágicos como este que me fazem sentir uma privilegiada por vezes, quando o mundo em meu redor se silencia por completo e eu me deslumbro com um cenário de paraíso, como se ele fosse criado para mim e ninguém mais existisse para além dele e eu!



Peguei no meu livrinho panorâmico e desenhei…



A tinta-da-china era a técnica que mais me inspirava para captar aquele contraluz espantoso, que recortava o edifício do palácio de Westminster contra um céu luminoso e fantástico! O problema era só que ela demora um bocado a secar e havia gente demais perto de mim. Peguei no outro livrinho e desenhei de novo mas num enquadramento mais próximo!

Escrevia eu no meu Facebook:

“Desta vez eu passeei tão calmamente por Londres que me fartei de desenhar, mas os desenhos em silhueta foram os que mais gostei de fazer, as nuvens inspiradoras provocavam este tipo de enquadramentos, quer na máquina fotográfica quer nos meus livrinhos. Encostava-me ao muro na berma do Tamisa, pousava nele o meu livrinho de folhas demasiado longas para me permitir desenhar decentemente em cima dos joelhos e, com a caneta e o pincel, o perfil do parlamento e do Big Ben aparecia tão facilmente, que apetecia fazer uma dúzia de pinturinhas semelhantes, em cada perspetiva da paisagem. As pessoas aproximavam-se para ver o que eu estava a fazer, umas vezes eu afastei-me, mas outras deixei-as ver e voltei a ter clientes para comprar as minhas mini-obras! Ahahahah”



Não, não vale comparar os desenhos com as fotos que eu não sou uma máquina fotocopiadora!



E por aquela ponte a gente pode ver tudo! Desde uma fulana que tirou a roupa toda, ficando em biquíni para uma foto com o Big Bem como fundo (claro que era gira senão não o faria, ainda por cima nem estava calor nenhum!) até casamentos, cheios de convidados, noivos e fotógrafos a tentar apanhar os melhores enquadramentos por entre o meio dos turistas aos milhares!



E a infinidade de fotos que eu fui tirando por ali!



Até chegar à estátua de Ricardo coração de leão!



“Junto ao Palácio de Westminster, fica a estátua de Ricardo I. Um belíssimo enquadramento para o rei tão querido e lembrado, tanto no Reino como na França, onde viveu a maior parte do tempo em que estava quieto e não andava em batalha. Um herói eternamente respeitado, que mesmo antes de ser rei, era já conhecido e respeitado como Ricardo Coração de leão, o título que o identifica na escultura equestre. As casas do Parlamento servem-lhe de cenário e as grades de protecção, que têm todo o ar de provisórias, mas estão ali em serviço perante, para ordenar as longas filas de visita ao edifício, não deixam ninguém aproximar-se da estátua, uma pena para quem a quer ver de perto, uma sorte para quem a quer ver sem ninguém por perto.”

(in Passeando pela vida – a página)



O palácio estava fechado… terá de ficar para uma próxima visita à cidade!



Aquilo parece uma igreja! Na realidade aquele palácio é um dos parlamentos mais míticos, maiores e mais espantosos do planeta! Por isso eu terei de lá voltar para o ver por dentro!

Dizem que tem 1.000 salas e 100 escadarias! Ui! O estilo gótico dá-lhe aquele ar de catedral impressionante, foi reconstruído, ou construído, dado que o anterior fora destruído pelo fogo e este foi feito de raiz, no séc. XIX, mas a sua fama e importância faz parecer que sempre existiu!



Não resisti a desmontar da moto rapidamente, enquanto esperava que as pessoas passassem na passadeira e tirar uma foto à minha Ninfa com o coração de Londres como fundo!



E fui passear por aquela que é uma das maiores cidades da Europa! A 3ª, dizem!



Há muito que a London bridge deixou de me impressionar, desde que a vi pela primeira vez e percebi o quanto ela fica aquém do que as imagens me transmitiam!



Mas atravessa-la é sempre uma sensação única. Até porque não há outra igual!



E estava na hora de ir até ao Ace Café, onde eu começara o dia e onde o acabaria!



Mas não foi lá que jantamos. O simpático casal Jose Garcia e a Silvia levou-me até ao Centro Galego de Londres!





Onde pude matar saudades da comidinha e da cerveja galega que é muito boa!



O movimento do restaurante/bar é bem ao estilo ibérico, nada british! Eheheh



A minha motita ficara no Ace Café, com aquela gente a questionar-se se eu a teria simplesmente abandonado ali! Quando a fui buscar não havia lá ninguém.

Os londrinos não são tão noctívagos como nós!



E fui para casa, que naquele dia ainda seria em Londres, e foi o fim do 26º dia de viagem.

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por ricmags em Dom Fev 01 2015, 21:51

um mês de viagem para um ano a recordar Very Happy
a nossa sorte é que ainda há mais crónica até a tua próximas viagem.
avatar
ricmags
Zero à direita
Zero à direita


http://ricardomag.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Qui Fev 19 2015, 21:04

24 de agosto de 2014

O prazer de nada fazer também se faz sentir em viagem, por isso é que eu vou deixando dias vazios no meu caminho para preencher com aquilo que eu quiser fazer no local. E aquele dia foi, literalmente, um dia para o que me deu na telha!

Um dos locais que eu queria ver era os estúdios de Abbey Road, desde a última vez que estive na cidade que deixei para outra vez… e ainda não foi desta que os visitei por dentro. Terá de ficar para a próxima, planeando direitinho e fazendo a marcação da visita antecipadamente.



Abbey Road, foi também o nome de um dos álbuns dos Beatles, gravado nos estúdios e, se estes já eram famosos tornaram-se então míticos pelo mundo inteiro!



Quando se passa ali durante o dia, percebe-se logo que estamos junto de um recanto famoso para caramba, cheio de chineses e turistas frenéticos que só querem ser fotografados perto!

As grades do pátio do edifício estão cobertas de inscrições, que me fizeram lembrar as inscrições do pátio da casa de Julieta em Verona! Uma loucura!



Há cartazes a pedir para não escreverem mas o povo é louco nestas coisas! Pus-me a apreciar a obra!

G

Não havia ninguém aquela hora da manhã por ali, por isso aproveitei para tirar uma ou dias fotos com a minha moto na passadeira mais famosa do mundo!

Esta passadeira foi considerada património britânico em 2010 e diariamente ali passam milhares de pessoas pelo momento mítico da foto do disco dos Beatles que se fizeram fotografar ai há 45 anos!



A minha motita esteve parada mesmo na porta dos estúdios! Numa próxima vez que lá volte, ficará estacionada dentro do pátio mesmo, enquanto eu visitar tudo por dentro, prometi-lho terei de cumprir!



Depois pus-me a curtir a condução pelas ruas pouco concorridas àquela hora da manhã, aproveitando que estava sol e era Domingo! Um belíssimo dia para se andar sem preocupações pela cidade e arredores! Boa, arredores! Wembley, I'm coming!



“Visitar o Wembley era um objectivo já antigo. O estádio mítico onde se realizaram concertos que ficaram para sempre na história, como Live Aid em 1985 e os nomes são muitos e grandes: Metallica, Coldplay, Green Day, George Michael, Foo Fighters, Madonna, Oasis, Take That, AC / DC, Nuse, ou os Bon Jovi. Sim, os eventos desportivos são míticos também, mas foi a música que me levou ali, ao maior estádio do Reino Unido, com capacidade para 90.000 pessoas… eu queria sentir a sensação de ali estar, conhecer a história, catar os recantos, mesmo não tendo podido lá ir no tempo o antigo, esse sim, o do Live Aid ele mesmo…”

(in Passeando pela vida – a página)

Lá estava ele! Dizem que aquele arco é visível a partir de toda a cidade!



Como a minha motita era pequenina junto daquele monstro de betão, metal e vidro!



Só para lhe dar a volta demorei um bom tempo! Porque é grande, porque a área de estacionamento é imensa e porque não conseguis simplesmente seguir em frente sem parara todo o momento para olhar para ele!



Estacionei algures junto das portas principais, onde os adeptos se separam por diverso níveis de entradas para se dirigirem aos seus lugares e fiz eu mesmo um percurso de entrada, embora solitário.





Claro que entrei pela porta principal, aquela que dá para o museu e exposição de troféus, claro!

A estátua de Bobby Moore à porta, um dos maiores jogadores de Inglaterra…



Linhas de mármore ou granito polido, separam as grandes lajes de cimentos, com gravações de todos os grandes eventos ali realizados, desde que o primeiro estádio foi edificado.



E lá estava ele…



Eu voltaria a entrar na bancada, mas a sensação de ver o campo logo, apanhou-me quase de surpresa! É enorme como prometido!



Não resisti quando alguém se ofereceu para me fotografar com o estádio de fundo!



Então perdi-me na galeria das fotos dos momentos míticos do estádio, com imagens do antigo estádio que foi inaugurado em 1923 e demolido em 2003, para ceder lugar ao novo Wembley!



ou da abertura dos Jogos Olímpicos de 1948.



A visita do Papa João Paulo II em 1982 com 70.000 pessoas presentes



ou o tributo a Nelson Mandela em 1990…



Mas também, e sobretudo, os concertos míticos que ali tiveram lugar como o Live Aid em 1985 para 70.000 pessoas,



Madonna, em 1990 actuando para 74.000 pessoas



Os U2, em 1993, o ano em que os vi, cá em Alvalade, pouco antes de eu partir para estudar na Suíça.



David Bowie, em 1987



Os Rolling Stones em 1982



Os Metallica em 2007



Os Coldplay em 2009



Pronto, ok, eu não vou mostrar aqui todas as imagens fantásticas que contam a história daquele estádio… mas foi muito por elas que eu lá fui…

E fui também para ver tudo, então chegamos à sala de conferência de imprensa e eu fui a primeira a ser convidada para a fotografia no lugar nos técnicos! Fixe!



Estávamos a descer até ao nível dos balneários onde nos espaços de cada jogador são colocadas camisolas de grandes jogadores que já ali jogarem!





Naturalmente aquilo tem tudo muito bom aspeto, afinal o estádio tem apenas 7 anos de uso, tudo é novo por ali!



G

E chegamos ao relvado! Ninguém o pode pisar! É perfeito e alto em relação ao solo onde estamos, como uma imenso altar verde!



E a sensação é que somos tão pequeninos!

Quando há concertos ali eles tapam o relvado com placas perfuradas e a relva cresce através delas, dando a sensação de que o relvado está desprotegido, pois de longe fica tudo verde.



Os 107 degraus que levam até à tribuna para entrega dos troféus! Já foram 39, no antigo estádio! O que os campeões têm de correr para chegar lá acima, apenas antecipa o momento de glória tornando-o mais duradouro!



E a grande taça (confesso que não sei qual é nem se é verdadeira) está ali para quem quiser ser fotografada junto, numa foto à venda à saída.

Esqueci-me de procurar a minha!



Na entrada, que também era saída, havia leões feitos dos mais diversos materiais!





Como um centro comercial, onde a gente vê uma exposição de leões, coisa banal! Very Happy



O leão da casa inspirador: Arrisque tudo!



Voltei ao mundo real ou pegar na moto de novo, fui deslizando pela rua sem saber ainda onde iria, quando passei do outro lado da via rápida do Ace Café!



Ainda havia tanta coisa que eu queria ver naquele dia!

(continua)

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Qui Fev 19 2015, 21:40

24 de agosto de 2014 - continuando

Já que estava numa maré de futebol, peguei na moto e vim por ali abaixo. Aquele dia foi feito disso mesmo, de ir e vir sem nexo aparente, senão apenas uma sequência de sítios que fui decidindo ver, uns depois dos outros, sem qualquer planeamento prévio!

E o que eu tinha em mente ficava por trás de casas, hotéis e ruelas insuspeitas, bem no coração da cidade!



Eu tinha passado ali no dia anterior e todos os acessos às ruas residenciais estavam barrados com grades de metal. Percebi que havia jogo e a ideia devia ser impedir o estacionamento por todos os lados e recantos junto das casas de quem ali vive!

Mas isso fora no dia anterior, porque naquele dia, ninguém diria que estivera ali uma bagunça! Tudo estava calmo e não tive qualquer dificuldade em estacionar a moto, aliás o recinto é pequeno, rodeado por casas mas tem um parque para motos e bicicletas!

Havia motos escondidas atrás da casinhota das bicicletas, mas eu nunca gosto de esconder a minha motita! Gosto de a ver à primeira olhadela e que toda a gente a veja, assim tenho a certeza que ninguém lhe vai fazer cocegas na barriga sem o meu conhecimento!



E fui visitar mais um estádio! Um estádio de campeões!



Depois de visitar estádios como o Manchester e o Wembley, cheios de espaço envolvente e interior, o Chelsea fica apertado no meio da cidade!



Andei por ali a catar a redondeza pelos túneis de entrada para o campo que parecia não ter espaço para caber…



Mas há espaço para tudo! O museu, cheio de troféus e camisolas da equipa ao longo dos tempos, mas também de grandes nomes que ali passaram.





Até tive quem me tirasse uma foto ali no meio das vitrinas dos troféus!



E então apareceu o nosso guia, um senhor que contava tantas histórias sobre futebol, jogadores, visitantes, grandes campeonatos e troféus míticos! Muito interessante, numa visita cheia de interesse!



Também ali entraria em diversos momentos no campo, quer pela bancada que depois até ao relvado!







“Eu não podia passar sem ir ali!
O estádio é muito antigo, foi fundado no início do século XX e mantém muito do original. Precisava de crescer como espaço relvado e bancada, mas não tem como, pois está situado no meio da cidade, rodeado de habitações e comércio. Uma luta que vem travando para tentar expandir-se sem mudar de local, mas é muito difícil! Foi uma sensação entrar ali. O guia, um senhor com alguma idade, era excelente e, quando perguntou a nacionalidade de cada uma das pessoas que compunham o grupo de visita, parou em mim, quando eu disse que era portuguesa. Fez questão de me fazer sentar na cadeira do Mourinho, no espaço destinado aos técnicos. Foi muito bonita a visita a um estádio mítico que exibe uma camisola do Eusébio, nos balneários dos clubes visitantes, que ele deixou de uma das vezes que lá jogou. Foi uma sensação ouvir o guia explicar que ele foi um dos melhores jogadores de sempre. As pessoas olharam para mim, a única portuguesa presente…”


(in Passeando pela vida – a página)

E experimentei também sentar-me na mesa onde os técnicos e jogadores falam nas conferências de imprensa!



O guia contava histórias de cada jogador dono de cada camisola exposta nos balneários



A camisola do Eusébio…





Embora o estádio seja antigo e não possa ser remodelado quanto à dimensão e espaço, tem boas condições lá por dentro.





Então o guia dividiu o grupo de visitantes em 2 filas, estrangeiros para a esquerda, britânicos para a direita. Depois ligou a o som e nos entramos no campo ao som do barulho de um estádio cheio de adeptos num dia de grande jogo! Foi uma sensação forte, apenas serenada por uma visão das bancadas vazias.

Logo ali ficam os lugares da equipa técnica, o senhor não deixou ninguém sentar-se no 2º lugar, voltou-se para mim e disse-me que me sentasse eu ali, que aquele lugar era para mim!

Sentei-me. “Esse é o lugar do Mourinho!” explicou ele quando me sentei.



E a visão que o Mourinho tem sobre o relvado será parecida com esta, portanto!



Toda a gente se quis sentar nos lugares especiais dos técnicos.



Houve mesmo quem não quisesse sair de lá e nos deixasse à espera!







Uma última olhada para o campo que parece pequeno demais mas que alberga um grande clube!



Cá fora há Mourinho por todo o lado e até há um diploma com a assinatura dele para quem visita o campo. Já nem sei o que fiz ao meu, mas deve andar aqui por casa algures!





E acabou-se a minha aventura futebolística por esta viagem! Para quem não aprecia futebol até que me dediquei um bocado à exploração da coisa!



E a cidade tem tantos encantos que fui andando por ela, observando pormenores que me fascinaram. Não sou muito de esperar para ver render a guarda, ou ir ao palácio tal porque é o que se faz em Londres! Sou mais do ir andando e ir vendo, descobrindo a cidade!





E murais e pintura urbana sempre me agarram pelo coração!



Paredes e muros, placards e cercas metálicas, pareciam telas gigantes…



E o transito a completar o quadro, com os famosos táxis negros!



A caminho de um recanto mítico de Londres!



O Soho!



A zona tornou-se famosa pelo ambiente nocturno, com direito a sex shops e ambiente cinematográfico. Hoje é uma zona onde se passeia por ruas pitorescas e acolhedoras.





Não sei porquê, mas foi por ali que as pessoas mais olharam para mim! enquanto eu olhava para as paredes, para os enfeites suspensos, sentia a curiosidade das pessoas que olhavam para mim!



A zona é mesmo simpática e cheia de curiosidades, por isso pouco me ralei com que olhava!





Impossível não gostar de passear por ali!





Então deparei-me com uma casa que vendia coisas de comer que mais pareciam de decoração!





Eu sei que se fazem bolos com as mais diversas configurações e decorações, mas aquilo não pareciam mesmo nada bolos!





Eu diria uma casa de decoração, uma florista, daquelas que fazem decorações em flores!

Mas não, aquilo come-se tudo!



Cada rua tem a sua decoração ao estilo de recepção!



Algumas bem originais e com efeitos tridimensionais!



E perdi-me me mais uma loja de materiais de pintura, que os ingleses têm muita variedade e qualidade na área!



E fui jantar, mais uma vez, ao Ace Café, para não variar, que lá há boa cerveja, coisa não muito comum pela cidade!





Recantos do espaço, no primeiro andar!





A loja, ao lado do longo balcão onde se serve comidinha e boa cerveja.





Estavam a preparar uma exposição de carros e a multidão estava a cumular-se por todos os lados, até ao outro lado da rua.

Como eu não aprecio de todo coisas com 4 rodas, lá me fui embora!



No dia seguinte choveria, eu vi na televisão, por isso o que eu aproveitei naquele dia, não se repetiria no seguinte… até ao sul da ilha…

E foi o fim do 27 dia de viagem

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Rambo em Qui Fev 19 2015, 22:38

Bibó... ... ... Eusébio!! (não ligo a futebol..) não posso ter os defeitos todos Very Happy

e então, quantos kms já tens? o almoço é para este mês?
avatar
Rambo
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Sex Fev 20 2015, 20:39

25 de agosto de 2014

O dia estava uma tristeza tão grande que me apeteceu voltar para a cama, assim que pus o olho na janela! Estava mesmo a ver que aquele seria o dia mais curto daquela viagem, se chovesse daquela maneira por todo o sul do país.

E assim seria, pude vê-lo na televisão ao pequeno-almoço.

A chuva nunca me perturba em tempo de trabalho, basta vestir o fato de chuva e sair e tudo está bem! Mas em viagem é ruim! A sensação de que estou a perder a oportunidade de ver mais um pouco faz-me ficar mesmo triste…

“O tempo está uma bosta tão grande que nem dá para tirar a máquina do bolso! Ainda bem que aproveitei os últimos dias de sol, uma coisa que esta vida de viagem me ensinou, nunca desperdiçar um solzinho contando que ele dure!
Mas que é uma chatice isso é, nada a fazer!
Já vi que os meus planos para catar o sul da ilha terão de ficar para outra vez, hoje so me resta correr até lá e esperar que o tempo melhore…”




Comecei a descer o país e… as coisas estavam cada vez mais tristes e deprimentes! Não valeria a pena ir a lado nenhum pois nada veria! Ainda passei no castelo de Kent, mas apenas entrei na propriedade e voltei a sair, sem nem sequer desmontar…

E fui para Margate… uma terra de praia que eu queria ver e onde dormiria naquela noite, antes de seguir para Dover e fazer a travessia.

Cheguei tão cedo ao hostel que temi que não me deixassem entrar. Eu acho que nunca cheguei tão cedo a um sítio para dormir, ainda nem eram 4.00 horas da tarde! Estava gelada, por fora e por dentro, só me apetecia ficar quieta no meu canto, e que esse canto não fosse na paragem de um autocarro qualquer!

E não foi!

No hostel a senhora recebeu-me cheia de carinho e preocupação! Levou-me até ao meu ,que era lindo e quente, e convidou-me a descer para um chá, assim que estivesse mais confortável. Ligou-me o aquecedor e trouxe-me mais toalhas pois eu tinha o cabelo molhado.

Eu adoro aquela gente!

Tomei um banho quente, outro naquele dia, e instalei-me. A máquina fotográfica estava tão húmida que a lente estava embaciada, por isso peguei num dos meus livrinhos e desenhei o meu quarto!



Com tanta humidade nem me apeteceu usar aguarelas, nem valia a pena pôr mais água na história!

Peguei no computador e desci, com vontade de desenhar o mundo! Sentia-me presa com tanta coisa bonita para ver lá fora!



A senhora era uma simpatía, acho que percebeu a minha frustração e encheu-me de mimos e comida. Estivemos no paleio por muito tempo, enquanto eu tomava um delicioso chá quente, acompanhado de uma série de coisas boas que ela me foi trazendo. Lembrei-me que, com toda aquela chuva, eu nem almoçara, logo aquele lanche veio mesmo a calhar!



Fui sarrabiscando um pouco o que me rodeava…



Até que o céu aliviou um pouco. Eu iria arriscar e sair um bocadinho, desenhar a rua, sei lá!

Não fui muito longe, saí a porta e atravessei para o outro lado, onde havia uma paragem. Um sítio ótimo para desenhar a fileira de casas onde ficava o hostel.



Desci depois a rua.

Levava a minha caneta de tinta à prova de água, não fosse a humidade borrar-me os desenhos. A caneta sépia borraria tudo facilmente com qualquer pinga que caísse, ou apenas com a humidade das mãos! E desenhei o cruzamento mais famoso lado lugar!



Mas foi “sol de pouca dura”, logo a seguir a chuva voltou com toda a força e eu fui a correr refugiar-me no “colinho” da minha benfeitora, que me deu um jantar decente e quente, e aquele dia ficou por ali… sem quase nada ver! Paciência!

E foi o fim do dia mais curto da viagem, o 28º… Desculpa

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Sex Fev 20 2015, 20:42

@Rambo escreveu:Bibó... ... ... Eusébio!! (não ligo a futebol..) não posso ter os defeitos todos Very Happy

e então, quantos kms já tens? o almoço é para este mês?

Estou a chegar aos 81.000 sim! Fixe
mas com o aniversário do forum a aproximar-se não estou a ver espaço para celebrar! Não

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Rambo em Sex Fev 20 2015, 23:55

@Gracinda Ramos escreveu:
@Rambo escreveu:Bibó... ... ... Eusébio!! (não ligo a futebol..) não posso ter os defeitos todos Very Happy

e então, quantos kms já tens? o almoço é para este mês?

Estou a chegar aos 81.000 sim!   Fixe
mas com o aniversário do forum a aproximar-se não estou a ver espaço para celebrar!   Não


!!!

Marca uma data.. Março, Abril, Maio...

contando ainda com alguns membros do fórum que também manifestaram interesse em vir, já reuni uma dúzia de moteiros/as amigos/as que estão ansiosos por te conhecer Shocked
avatar
Rambo
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Sab Fev 21 2015, 00:10

@Rambo escreveu:
@Gracinda Ramos escreveu:
@Rambo escreveu:Bibó... ... ... Eusébio!! (não ligo a futebol..) não posso ter os defeitos todos Very Happy

e então, quantos kms já tens? o almoço é para este mês?

Estou a chegar aos 81.000 sim!   Fixe
mas com o aniversário do forum a aproximar-se não estou a ver espaço para celebrar!   Não


!!!

Marca uma data.. Março, Abril, Maio...

contando ainda com alguns membros do fórum que também manifestaram interesse em vir, já reuni uma dúzia de moteiros/as amigos/as que estão ansiosos por te conhecer Shocked

Então o melhor é abrir um tópico para isso, com o programa da festa, no dia em que a minha Ninfa fizer os 81.000 Km!
Depois junta-se um grupo durante o tempo necessário até haver festa!  Vrummm
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Rambo em Dom Fev 22 2015, 12:10

Esse tópico já existe.. " os meus 800 Mil kms.." Vrummm
avatar
Rambo
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Sab Abr 18 2015, 22:33

26 de agosto de 2014

Não sei porquê mas, da primeira vez que fui passear para o Reino Unido foi o circular ao contrário o que me baralhou as ideias, de resto tudo foi de adaptação fácil, mas desta vez se o circular ao contrário não me perturbou nada, já as distâncias fizeram-me errar alguns cálculos! Por diversas vezes me esqueci que estava a trabalhar em milhas e por isso 400milhas queria na realidade dizer 640 e tal quilómetros, por exemplo! Ora eu naquele dia tinha 419 milhas pela frente, o que queria dizer quase 675km… e isso queria dizer também que, com a travessia, eu iria ficar sem tempo para catar o que quer que fosse até chegar à Bretanha, a ultima zona celta até chegar a Espanha!

Por outro lado com o tempo ranhoso e cinzento que se mantinha, certamente não perderia grande coisa! Por isso enchi-me de comida, no último pequeno-almoço britânico, composto de bacon, salada de tomate, ovos estrelados, feijoada, cogumelos frutas, sumo e chá, entre outras coisas que a senhora me foi trazendo depois, como pão, queijo e manteiga! A dada altura eu já achava que ela nunca pararia de me encher de comida e eu não pararia de comer!

“you have to eat, you're too skinny and the motorbike is too big!”

Eu adoro quando me chamam magrinha, sobretudo quando estou gordinha como nunca estive antes!

“I’m skinny?” eheheh

Eu podia habituar-me a ter tal tratamento todos os dias de manhã!



O mar estava bravo e o céu quase assustador lá fora! Equipei-me para a guerra com o tempo e fiz-me ao caminho!



Não valeria a pena parar em lado nenhum com um tempo tão feio, deixei para trás Margate e a sua Clock Tower …



E segui para Dover para atravessar o canal!

Havia já bastantes carros em diversas filas, para o embarque,mas não se avistava qualquer moto!



Os guardas daquilo tudo foram tão simpáticos comigo que me fizeram entrar no barco bem antes de começarem a mandar entrar os carros! Tão queridos, não me quiseram deixar ali à chuva e eu pude ver o porão completamente vazio!



Uma sensação curiosa! Ainda por cima quando do nada apareceu logo um senhor para amarrar a minha motita ao chão, como se de uma princesa se tratasse, com direito a tratamento VIP exclusivo!



E lá ficou ela toda catita, bem na frente do porão completamente vazio, pronta para ser a primeira a sair mal a enorme porta se abrisse!



O porão estava todo por conta dela…



E o barco todo por minha conta! Que sensação esquisita!



Escolhi o melhor lugar para mim, junto de uma janela que não estivesse muito suja e se visse vem para fora. E demorou quase uma eternidade até as pessoas começarem a entrar e outra eternidade até começar tudo a mover-se!





Não podia deixar de me sentir um pouco triste ao deixar o Reino, havia ainda tanta coisa que eu queria ver por ali e já tinha de me ir embora, ainda por cima com um tempo tão triste!



Barcos iam e barcos vinham, aquele canal é quase uma estrada de barcos que fazem a travessia a todo o momento!



A travessia não é muito longa nem demorada, pouco mais de uma hora, e eu estava de volta ao porão, para o encontrar repleto! Eu nem via mais a minha bonequinha, que estava completamente sozinha na frente de todos aqueles carros matulões e ameaçadores!



Mas ela tinha feito amizade com os vizinhos e ninguém lhe tinha feito qualquer mal!



O tempo tenebroso mantinha-se no lado de França, em Calais!



Ao contrário da última vez que conduzi pelo Reino Unido e voltei a entrar na França, não me custou nada voltar a conduzir pela direita. Mas, por via das dúvidas, há sinais a lembrar os mais distraídos para não se esquecerem de que lado da estrada devem circular!



Contornei o centro de Calais pelo lado do canal e segui por aquele lado mesmo, não valeria a pena explorar mais uma vez a cidade, pois já o fizera aquando da minha última travessia em 2011. E encontrei a église Notre-Dame de Calais!



L’église Notre-Dame de Calais, uma igreja construída entre o séc. XIV e XVI, é completamente diferente de todas as igrejas francesas, porque foi construída segundo o estilo Tudor inglês. Ali se casou Charles de Gaulle em 1921, mas o que me despertou o interesse foi o seu interior visivelmente degradado.





Questionei-me sobre o que se teria passado ali, para que o órgão estivesse espalhado às peças, ao longo da nave lateral direita e eu nem conseguisse descobrir onde ele devia estar. Não era um restauro o que lhe estavam a fazer, portanto! Perguntei a uma senhora que se aproximou de mim, atraída pelo meu interesse pelo edifício… a resposta chocou-me! A igreja estava mutilada desde os violentos bombardeamentos da 2ª Guerra Mundial e estava a ser ainda recuperada aos poucos… Eu não esperava que o passado estivesse ainda tão presente...



E havia peças de pedra amontoadas nos cantos, e havia buracos nas paredes, onde antes deviam encaixar as bigas de suporte do coro…





E toda a construção prometia estar em trabalhos de restauro por muito tempo ainda…



Aquele era de certa forma o prelúdio de um passeio pelos vestígios da 2ª Guerra mundial, ao longo da Normandia, que eu iria começar no dia seguinte…

A igreja fica numa porção de terra quase completamente rodeada de água, embora fique plenamente em terra. Um canal cerca quase completamente o pedaço de chão naquele ponto.



E ao longe eu via a torre vermelha do Hôtel de Ville de Calais.



"O Hôtel de Ville de Calais é uma construção lindíssima! Dá-se umas voltas pela cidade sem se encontrar o edifício da câmara, que normalmente está junto do centro, e vamos encontra-lo mais além, sem que se perceba porquê! Então a história conta tudo como foi, na realidade no final do séc. XIX duas terras foram fundidas, Calais e Saint-Pierre, e a câmara foi então construída numa zona deserta entre as duas populações! Num estilo que conjuga o estilo renascentista francês e o estilo Tudor inglês, ela surpreende e encanta, para lá de um jardim cuidado onde só peca o estacionamento que não permite uma visão totalmente limpa do conjunto!”

(on Passeando pela vida – a página)



E lá estava a Torre!

"Um pormenor de construção que sempre me fascina são as torres! Torres de castelos, igrejas ou casas levam-me em sonhos de infância, histórias de encantar, filmes fantásticos. E nunca me deixam indiferente! Torres de sonhos, de arquitetura arrojada, de história de épocas em que a vida de uma construção passava pelo seu encanto exterior, decorativo e romântico. Sempre olho para cada torre como quem olha para uma obra de arte lá no topo, onde só quem é atento toma atenção… um pormenor que é, afinal, a “raça” de um edifício!”

(in Passeando pela vida – a página)





O tempo estava a melhorar e eu tinha mais de 600 km pela frente! Que belo dia para apreciar estrada atrás de estrada, com nuvens inspiradoras que mudavam de forma e tom a cada quilómetro.



Quando percorro grandes distâncias, conduzindo seguido, tenho a sensação de que estou a atravessar o mundo, vicio-me no ato de conduzir e vou apenas apreciando a paisagem que muda a cada quilómetro, como quem olha para um documentário.

Naquele caminho imaginava que paisagens estavam para lá do que via… eu sabia que do meu lado direito começaria a passar a zona da batalha da Normandia e por ali fora as praias do desembarque…
Eu já estivera ali e agora voltava para reviver tudo de novo, amanhã, depois de uma bela noite de sono!



E foi o fim do 29º dia de viagem…

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Sab Abr 18 2015, 22:45

27 de agosto de 2014

E pronto, o Reino Unido estava para trás e eu estava de volta à bela França!

Sempre me encanto com os encantos daquele belo país e a Bretanha continua a ser um recanto que me intriga e atrai, pela sua beleza e história.

Eu estava hospedada numa “maison d'hôtes” muito curiosa, num apartamento no sótão de uma casa muito antiga e inspiradora. As vezes que eu fotografei aquelas escadas!



E, tal como eu imaginara ao fazer uma reserva para 3 noites, era o sitio ideal para eu estar só, poder tirar as malas da moto, espalhar todas as minhas coisas por todo o lado e poder cozinhar! Esse pormenor de poder cozinhar fez-me tão feliz, depois de tanto tempo desejando comida de panela decente!

A dona da casa era muito simpática e foi-me dando coisas da horta que cultivava nas traseiras, batatas, cebolas e tomates, e eu fui fazendo os meus petiscos com tanta vontade que quase não precisaria de prato, à quantidade de vezes que ia depenicando da panela!

Depois de muita conversa ilustrada de mapas e prospetos de divulgação turística da zona, eu tinha 3 ou 4 coisas para ver naquele dia.

E a Normandia ficaria para o dia seguinte…



Pipriac era o nome da terra onde eu estava, bem no meio da zona que eu queria explorar naqueles dias. As pessoas ficavam a olhar para mim quando eu passava. Deduzi que não estavam muito habituadas a ver alguém de capacete enfiado a visitar igrejas…



Mas como ninguém me disse nada e eu só queria dar uma espreitadela, foi mesmo de capacete na cabeça que visitei a igreja sim senhor! Acho que não há lei eclesiástica que diga que isso é pecado… digo eu!



E segui para uma terrinha chamada La Gacilly onde decorria um festival de fotografia…

Oh, La Gacilly é uma vilazinha encantadora, com casinhas de pedra, a lembrar as casinhas de xisto do Piódão, com os caixilhos das portas e janelas em corres vivas, e muitas árvores, trepadeiras e jardins por todos os lados!





E como se não bastasse, realiza desde há mais de 10 anos um grande festival de fotografia ao ar livre que estava a decorrer!





E estavam lá fotos de Robert Capa, o grande fotografo que guerra que eu tanto admiro!





E o país convidado era os Estado Unidos, com fotos fantásticas, como as de Steve McCurry!





Perdi-me por ali, a ver a exposição que estava por todos os lados, ruelas e jardins, e a desenhar aqui e ali uma casinha mais encantadora ou um recanto mais pitoresco!



Porque as casinhas são mesmo muito bonitinhas por ali e apetece parar em cada recanto e desenhar!





Depois de horas a catar o mundo da fotografia e as ruelas de casas em xisto, a vilazinha que visitei a seguir ainda me encantou mais!



“Rochefort-en-Terre figura entre os "Plus Beaux Villages de France" e isso é garantia de “coisa bonita” mas ao chegar-se lá, rapidamente se percebe que ela é muito mais que bonita: é encantadora! Há uma harmonia extraordinária entre os diversos estilos arquitetónicos que se foram acumulando e justapondo ao longo dos séculos, desde a formação do local lá pelo séc. XII. Construções góticas, renascentistas e posteriores, convivem perfeitamente para um ambiente idílico de conto de fadas. Andei por ali muito tempo, o dia estava lindo e a vontade de captar tudo não me deixava ir embora. Nem sei quanto desenhos fiz, mas fotos foram tantas!”
(in Passeando pela vida – a página)



Algumas casas ficaram associadas aos desenhos que fiz! Uma sensação curiosa que experimento hoje ao olhar as fotos!



casinhas medievais que “coabitam” com casinhas mais recentes, renascentistas…



Formando um conjunto encantador por toda a povoação!



com direito a castelinho medieval e tudo a completar o conjunto!



A igreja de Notre-Dame-de-la-Tronchaye, numa mistura do estilo românico e gótico, a condizer com a redondeza!



“Sentir que uma viagem se aproxima do fim é sempre penoso para mim! Podem dizer que as saudades de casa têm de apertar, que eu tenho de ter vontade de voltar, que o meu coração tem de estar cá e não lá onde eu quero andar… Mas a verdade é que eu quero sempre continuar, com saudades, com vontades, com tudo, eu apenas quero continuar! Então não perco o entusiasmo, nem a vontade de ver tudo até ao fim e os últimos dias de uma viagem são aproveitados com a mesma intensidade que os primeiros, como quem vive a vida até ao ultimo momento! Assim me aconteceu quando cheguei a Rochefort-en-Terre, depois de um longo percurso de tantos quilómetros e tanta coisa explorada, eu me encantei! E sentei-me na berma de um vaso de flores, que era uma peça só esculpida num bloco de granito, na Place du Puits, e deixei-me ficar, apenas olhando. Desenhei, conversei e quis que aquele momento nunca mais acabasse e ele tornou-se eterno…”

(in Passeando pela vida – a página)





O dia não ficaria sempre assim bonito, por isso eu aproveitei o mais possível aqueles momentos de sol, apreciando as paisagens, conversando com as pessoas e finalmente partindo para uma terra mais à frente! Era cedo e eu tinha vontade de ver mais!



Redon lembra-me sempre o pintor simbolista francês, mas ali era uma cidade, com um centro histórico muito pitoresco!



Aquelas casinhas todas tortas, com os travejamentos exteriores sempre me prendem a atenção!



Fica ali no limite entre 2 províncias, o Loire Atlantique e o Lille et Vilaine e fica também numa confluência dos rios Vilaine e  Oust, que mais parecem canais que quase dão a volta à cidade!



E há comportas e eclusas para gerir o fluxo das águas e tudo! Mesmo assim dizem que no inverno não é raro inundar-se aquilo tudo!



A igreja tem uma torre que não lhe pertence! Sim isso existe! Aquela torre está fora da igreja mesmo!



O corpo da igreja é essencialmente românico e a torre é gótica, um grande incêndio acabou por provocar a separação das partes e hoje a torre está ali, sozinha, mas de pé!





Uma beleza natural como eu aprecio, sem grandes intervenções posteriores que impeçam de apreciar a construção original…



O tempo estava a pôr-se ranhoso lá fora e isso impedia-me de explorar pormenores que aprecio, como uma série de grafitis que encontrei num recanto meio abandonado. Sempre provocam em mim aquele efeito da saudade de pegar nas tintas ou nos sprays e desatar a desenhar em grande…



E quando o dia já estava a meter água, passei em Roche-Bernard! Uma pena pois teria apreciado tudo muito melhor sem chuva, claro!









E segui para Guérande, uma cidade medieval que eu queria muito visitar! É conhecida por ter duas paisagens contrastantes, uma branca, por causa das suas salinas, e outra negra por causa da turfa!

O centro histórico é muralhado e é lindo por dentro! Claro que com a chuva que já era muita, fui-me refugiar na igreja!







A origem da igreja é tão antiga que se perde na mistura de restauros e reconstruções posteriores, mas continua linda e mostrando um pouco do românico, do gótico e até de pormenores anteriores!



Com o mau tempo lá fora deu para apreciar alguns pormenores com muita calma!



Mas eu tinha de sair da igreja, por isso à primeira aberta fui explorar as ruelas cheias de gente e guarda-chuvas e outras curiosidades!



Quantas vezes ando à procura de um porquinho mealheiro e não encontro nenhum e ali havia tantos!



Coisas que encontrei por lá e que fizeram tanto sentido!



A muralha é impressionante! Não é muito alta mas é perfeita e muito bem conservada!







E fui embora, meio amuada com o tempo que se voltara contra mim de novo!

E de repente passei por um castelo encantado… ou pelo menos encantador!



“Eu nunca consigo ficar indiferente a um castelo que avisto no meu caminho, paro sempre, olho sempre, tento sempre saber algo mais sobre ele e, se não puder aproximar-me, fico ali como uma adolescente a apreciar o seu ídolo inatingível até a consciência me fazer pegar na moto e seguir o meu caminho! Tudo isso voltou a acontecer quando pelo canto do olho eu vi o Château de la Bretesche “passar” ao longe, para lá de um lago que surgiu no espaço entre as árvores que faziam um muro, do lado esquerdo da rua que eu percorria! É uma construção medieval do séc. XIV que foi restaurado no séc. XIX. Que coisa linda! Mas quando descobri o que ele é hoje ainda fiquei mais fascinada! Ele foi vendido a uma empresa particular que o transformou em diversos apartamentos, onde vive gente! Ui, viver ali seria como viver num conto de fadas todos os dias, com direito a lago, jardins e até um campo de golfe com 18 buracos… céus, eu teria de deixar de viajar, só para desfrutar a sério da minha casa!”

(in Passeando pela vida – a página)

Que coisa linda!



E depois de muito fotografar e desenhar o castelinho lá segui para casa, desejando do fundo do coração que o tempo melhorasse porque no dia seguinte eu queria ir percorrer as praias do desembarque e a chuva não seria boa companhia…

E eu que nem sou grande apreciadora de chocolate, fui-me deliciar com um bom vinho, um jantar à minha maneira e chocolate com avelãs para sobremesa! Como eu gosto da França, onde há tudo o que eu gosto de comer!



E foi o fim do 30º dia de viagem…

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Carlospira em Sab Abr 18 2015, 23:31

Boas,

Mais um " Fantabulástico " relato !!!!!
Fantásticas aquelas paisagens da Bretanha...aquelas casinhas lindas, os jardins, as portadas e janelas ás cores....FANTÁSTICO !!!!!

Parabéns por mais este " livro magico de imagens "...

Mais um Mérito para que venha o resto...

________________________
CARLOS PIRES
Mama Sumae !!
avatar
Carlospira
Zero à direita
Zero à direita


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por horacioalgar em Seg Abr 20 2015, 10:36

Palmas  Palmas  Palmas  Estou encantado por ver e ler estas maravilhas Fixe Mérito
avatar
horacioalgar
Zero à esquerda
Zero à esquerda


http://horacioalgar@gmail.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Rambo em Seg Abr 20 2015, 13:50

Viagem de encantar sem dúvida!
Tinha planeado ir hoje ao cinema vêr o filme "Noite em fuga" com o Liam Neeson.. mas depois destes palácios e castelos todos, acho que vou mesmo vêr a "Cinderela" e deixar os socos, bombas e murros nas trombas para outra altura.. Smile
avatar
Rambo
A tirar a carta
A tirar a carta


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por nunomsp em Seg Abr 20 2015, 15:22

Simplesmente espetacular...
avatar
nunomsp
Zero à direita
Zero à direita


http://www.nuno-pereira.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Gracinda Ramos em Seg Abr 20 2015, 20:43

Obrigada por ainda me acompanharem!

A história está a chegar ao fim e está a custar acabar com ela, mas mais 2 dia e estarei em casa! 2 dias muito bonitos também, por sinal! Dar flor Dar flor

________________________
Beijucas!   Olá


Viajar é mais assustador para quem fica do que para quem vai!
avatar
Gracinda Ramos
Ainda é motorato!
Ainda é motorato!


http://gracindaramos.wordpress.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Carlos Balio em Seg Abr 20 2015, 22:52

Gracinda, como isto tem sido a conta gotas, vais obrigar-me a reler e rever tudo de novo Laughing
Obrigada por mais este dia de viagem.
Aqui vai mais um Mérito
avatar
Carlos Balio
Já sai à rua a conduzir.
Já sai à rua a conduzir.


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeando por caminhos Celtas - 2014

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 7 de 8 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum